EuropaLisboaPortugal

Guia completo de Lisboa: o que fazer na capital portuguesa

Torre-Belém-capa

O post de hoje é todinho destinado aos encantos da capital do país que, pelo segundo ano consecutivo, foi eleito o “Melhor Destino do Mundo”, conquistando 16 prêmios no World Travel Awards no final de 2018. Estivemos em Lisboa em novembro/18 e agora chegou a hora de contar tudinho que vi e curti por lá: sugestões de restaurantes, passeios, hotéis e dicas de roteiro nessa hospitaleira cidade!

Confesso que Portugal estava na minha lista de desejos, mas não era prioridade. Acontece que, simplesmente de uma hora para outra, comecei a ouvir tanta coisa boa sobre o país, que tratei de me reorganizar para conhecê-lo ainda no mesmo ano. A viagem foi um sucesso e quero que a sua também seja. Então se liga nas dicas desse guia completo sobre Lisboa.

:::Confira também aqui no MV: Roteiro completo de Portugal
Parque Eduardo VII | Foto: Anna
Parque Eduardo VII | Foto: Anna

Portugal é simplesmente apaixonante! Clima europeu com sentimento de “parece que estou em casa”. A língua, os costumes tão semelhantes aos nossos e o povo receptivo. E essas são apenas algumas características desse país que encanta corações.

E se o seu interesse envolver turismo gastronômico, então pronto! Portugal reserva uma culinária maravilhosa: fiz a dieta do vinho e bacalhau praticamente a viagem inteira (dia sim e outro também). 

É impossível falar de Portugal, sem incluir sua capital na resenha. Lisboa está moderna, alegre, vibrante e mais hospitaleira do que nunca.

Não que eu já conhecesse a cidade antes, mas o que se houve muito é que Lisboa foi revitalizada e por isso está tão em alta! Fui lá conferir de perto e posso afirmar que é 100% verdade: a procura do destino por brasileiros (seja para “turistar” ou mudar de vez), tá só que cresce.

E foi só relembrar um pouco de Lisboa, que já me senti completamente inspirada para compartilhar minhas dicas e roteiro de viagem contigo. Então vamos ao que interessa:

Informações gerais sobre Lisboa

Lisboa, além de ser a capital, é a cidade mais rica e mais populosa de Portugal – são mais de meio milhão de habitantes. Contando a área metropolitana, são quase 3 milhões de pessoas.

Seguem as informações gerais mais relevantes de Lisboa:

Informações gerais - Lisboa

Como chegar, documentos e seguro obrigatório

Chegar em Lisboa é tranquilo: existem voos diretos saindo do Brasil, operados pela Azul, Latam e TAP (também é possível chegar em Lisboa com companhias aéreas que fazem conexões em outras cidades da Europa).

Num voo direto, de São Paulo até Lisboa são 8 horas de voo.

Quanto à documentação, basta passaporte válido (com data de expiração não inferior a 6 meses) e o seguro viagem obrigatório (Portugal é signatário do Tratado de Schengen*).

*Os países europeus que assinaram o Tratado de Schengen, exigem seguro de saúde obrigatório dos brasileiros que ingressam em seu território, sendo que a cobertura mínima desse seguro não pode ser inferior a 30.000,00 euros.

:::Confira também aqui no MV: O passo a passo para tirar ou renovar seu passaporte

Na imigração sempre será solicitado o passaporte e dados do voo de procedência. O seguro é solicitado apenas por amostragem (nunca me foi solicitado), porém, caso for solicitado e você não o tiver, provavelmente não poderá ingressar no país, pois se trata de documento exigido. 

Recomendo fazer o seu seguro viagem internacional pela Seguros Promo, que compara preço e cobertura das melhores seguradoras. Clique aqui para fazer uma cotação. Leitor do blog MV tem 5% de desconto na contratação ao utilizar o cupom MALADEVIAGEM5

Alfama | Por @mariliaprincy

Melhor época para visitar Lisboa

Embora seja um destino possível de ser visitado durante todo o ano, recomenda-se evitar meses de julho e agosto, pois, além do movimento (alta temporada em decorrência de coincidir com o período de férias na Europa), esses são os meses mais quentes do ano, e as temperaturas ultrapassam facilmente os 40ºC.

Novembro a fevereiro são os meses mais chuvosos, o que pode atrapalhar um pouco os passeios a céu aberto.

Estive em Lisboa no final de novembro/2018 e tive sorte em pegar 3 lindos dias ensolarados na capital, com temperatura entre 10 e 17ºC.

Outra consideração relevante é que, mesmo durante os meses de inverno, Lisboa não é uma cidade tão fria quanto em outros destinos da Europa. A temperatura em Lisboa no inverno costuma ficar entre os 7 e 16ºC.

Quantos dias ficar na capital portuguesa

Indico pelo menos 3 dias para conhecer o principal da cidade. Em 4 dias da pra fazer um roteiro bastante completo, com os passeios mais procurados e aproveitar a gastronomia local.

Acrescente um dia a mais se quiser visitar os balneários de Estoril e Cascais – cidades litorâneas pertinho de Lisboa.

Alfama | Por @mariliaprincy
Alfama | Por @mariliaprincy

Locomoção em Lisboa

A ideia inicial era alugar um carro na chegada, conhecer o norte de Portugal e, no final da viagem, devolver o carro quando chegássemos em Lisboa.

Esse foi o roteiro completo da nossa viagem:

Lisboa é o ponto A (partida) e o ponto J (chegada).

Lisboa é uma cidade para se conhecer preferencialmente a pé ou utilizando transporte público, porém, considerando o preço ínfimo que pagamos na diária do carro (cerca de 12 euros), mudamos os planos iniciais e tentamos utilizar o carro na capital.

Não foi tão complicado quanto na cidade do Porto, onde ficamos 2 horas presos no trânsito no horário de pico, mas em Lisboa também passamos alguns momentos de estresse.

O problema em Lisboa não foi o trânsito, pois ele flui bem… O problema era encontrar estacionamentos ou vagas nas ruas, principalmente no centro. 

A conclusão é óbvia: carro não é necessário em Lisboa, mas também não é impossível transitar com um veículo por lá. Tudo dependerá do custo-benefício: por um lado, paga-se barato no aluguel do carro, por outro, gasta-se bastante com estacionamento.

Se escolher não alugar carro, saiba que no centro histórico é possível fazer tudo caminhando. Quando for para os locais mais distantes (a exemplo de Belém), taxi, Uber, metrô e trem atendem bem a necessidade.

Há ainda os charmosos bondes, que podem ser utilizados no centro histórico não apenas como meio de locomoção, mas também como um próprio e típico passeio turístico da cidade.

Bondes: o transporte mais charmoso de Lisboa | Foto por @mariliaprincy
Bondes: o transporte mais charmoso de Lisboa | Foto por @mariliaprincy

Minha sugestão é alugar o carro apenas para viajar pelo país, mas, ao chegar em Lisboa, preferir o transporte público, Uber e as próprias pernas mesmo!

Faça aqui a cotação de aluguel de carro com a Rent Cars. Alugando seu carro por esse link, você não paga nada a mais por isso e ainda me ajuda a receber uma pequena comissão do site!

No nosso roteiro (Lisboa – Estoril – Cascais – Sintra – Óbidos – Aveiro – Porto – Vale do Douro – Coimbra – Lisboa), alugar carro foi imprescindível.

Hospedagem em Lisboa

A oferta de hotéis em Lisboa é muito grande! Vou listar algumas boas opções conforme a categoria (5 e 4 estrelas).

Hotéis 5 estrelas:

Altis Belem Hotel & Spa

Hotel 5 estrelas, localizado no bairro histórico de Belém, às margens do Rio Tejo. Conta com piscinas coberta e ao ar livre, spa (piscina dinâmica coberta, sauna, banho turco, tratamentos e massagens) e terraço na cobertura. Seu restaurante – “O Feitoria” – possui 1 estrela Michelin.

Os quartos possuem TV LCD, cortinas elétricas, cafeteira Nespresso e banheiro moderno. Todos os quartos dispõem de Wi-Fi gratuito e vista panorâmica do rio.

O Altis fica a 7 minutos a pé do Mosteiro dos Jerónimos, e a menos de 1,5 km do Museu MAAT.

Eurostars Museum 

Hotel 5 estrelas situado nas margens do Rio Tejo, instalado em um prédio histórico no bairro de Alfama. O hotel possui uma exposição arqueológica permanente, bem como instalações modernas com piscina coberta, academia, restaurante, sala de massagem e banho turco.

Os quartos possuem de ar-condicionado, banheiro privativo, TV de tela plana, cofre e mesa de trabalho. Há Wi-Fi gratuito em todas as áreas.

O Castelo de São Jorge está a 15 minutos a pé do hotel, e a Praça do Comércio a 500 metros.

Memmo Príncipe Real (Design Hotels) 

O Memmo fica em Príncipe Real, um dos bairros mais chiques de Lisboa. Está a 10 minutos a pé do Bairro Alto e da Avenida da Liberdade.

Possui piscina ao ar livre e área de estar com vista panorâmica da cidade. Todos os quartos dispõem de ar-condicionado, TV, roupões de banho, chinelos e banheiro com amenities Hermés. Algumas acomodações também possuem um terraço.

O prédio em que se situa o hotel apresenta estilo arquitetônico contemporâneo, com uma pintura a óleo de D. Pedro V, do artista Barahona Possollo, e decoração com móveis vintage clássicos, pinturas contemporâneas de Miguel Branco e obra de Iva Viana.

Tivoli Avenida Liberdade Lisboa

O Tivoli Avenida Liberdade faz parte da The Leading Hotels Of The World e está situado em um prédio da década de 1930, na cobiçada Avenida da Liberdade, ao lado das melhores lojas de grife de Lisboa e próximo à Praça do Comércio, Rio Tejo e bairros históricos. 

O hotel possui SPA Antantara e a área da piscina oferece um terraço amplo ao ar livre e no rooftop está o restaurante Seen.

Os quartos são elegantemente decorados, contam com TV de tela plana via satélite, bem como uma área de estar. Algumas unidades oferecem vista do pátio ou da Avenida da Liberdade.

Altis Avenida Hotel

O Altis também é um hotel 5 estrelas, localizado no centro de Lisboa, a 5 minutos a pé da área de compras da Rua Augusta, Chiado e Avenida da Liberdade.

O hotel ocupa um edifício histórico que une a arquitetura tradicional portuguesa à decoração inspirada na Art Déco. Os quartos são confortáveis e possuem móveis de estilo retrô em tom suave. Algumas acomodações têm varanda e vista para o centro histórico de Lisboa.

Four Seasons Hotel Ritz Lisbon

O Four Seasons Hotel Ritz Lisboa é um hotel 5 estrelas, de categoria luxo, localizado ao lado do Parque Eduardo VII.

Possui uma academia no 11º andar, uma pista de corrida ao ar livre com vista da cidade, além de serviços e tratamentos de SPA.

Os quartos são espaçosos e apresentam decoração elegante e clássica, assim como banheiro privativo com amenities by L’Occitane. Algumas acomodações possuem ampla varanda.

O Restaurante Varanda, onde é servido o café da manhã, tem uma bela vista para o parque.

A Avenida da Liberdade fica a cerca de 10 minutos a pé do Four Seasons.

Hotéis 4 estrelas:

Priorizando o custo-benefício, nossa escolha como hospedagem em Lisboa foi pelo Hotel Vila Galé Ópera, localizado no bairro de Alcantara.

O Vila Galé Ópera Hotel é um hotel temático, com decoração inspirada na ópera e na música clássica. Foi desenhado pelo conceituado arquiteto português Manuel Salgado, e passou por uma renovação em 2014. A bela vista para o Rio Tejo, ícone da cidade, traz ainda mais charme ao hotel.

O hotel fica em frente a uma parte da Docas de Alcântara (área revitalizada do porto), onde estão concentrados vários restaurantes e próximo ao LX Factory, uma área moderninha que reúne restaurantes, bares, docerias e lojas conceituais de roupas e decorações, ao som de músicas animadas.

:::Confira aqui no MV: Resenha do Hotel Vila Galé Ópera
Quarto Vila Galé Ópera | Foto: divulgação
Quarto Vila Galé Ópera | Foto: divulgação

Outras sugestões de hotéis desta categoria:

TURIM Av. Liberdade Hotel

Trata-se de um moderno hotel 4 estrela localizado na Avenida da Liberdade. Possui quartos decorados com móveis contemporâneos e equipados com ar-condicionado, Wi-Fi gratuito e frigobar.

O centro de Lisboa fica a 2 quilômetros de distância, mas o hotel está a apenas 2 minutos a pé da Estação de Metrô Marquês De Pombal.

NH Collection Lisboa Liberdade

Situado na Avenida da Liberdade, o NH Collection Lisboa Liberdade é um hotel 4 estrelas, com decoração moderna. Possui uma piscina sazonal na cobertura e terraço gramado com vista panorâmica sobre Lisboa e o Rio Tejo.

Cada quarto conta com uma máquina de café Nespresso, com 3 cápsulas diárias gratuitas. Todos os quartos e suítes possuem menu de travesseiros e estão equipados com escrivaninha, frigobar, WiFi de alta velocidade e TV de tela plana via satélite. O banheiro privativo tem secador de cabelo profissional e espelho de maquiagem.

Os elevadores do hotel são panorâmicos, proporcionando também vistas da cidade.

O hotel está situado no centro histórico e comercial de Lisboa, a 12 minutos a pé do Bairro Alto e do Chiado, e a 700 metros da Praça Marquês de Pombal, da Estação do Rossio e do elevador de Santa Justa.

AVANI Avenida Liberdade

Localizado centro de Lisboa, o AVANI Avenida Liberdade é um hotel 4 estrelas que conta com quartos confortáveis ​​e estilo contemporâneo.

Hóspedes do AVANI podem utilizar gratuitamente a piscina ao ar livre do Tivoli Avenida Liberdade.

Os quartos têm ar-condicionado, TV de tela plana, frigobar, cafeteira e mesa. Algumas acomodações incluem varanda, além de banheiro privativo com banheira ou chuveiro, secador de cabelo e celular.

O hotel fica a 2 km do bairro de Alfama, a 2,2 km do Castelo de São Jorge e a 900 metros da estação de trem do Rossio.

BessaHotel Liberdade

Localizado na Avenida da Liberdade, a poucos minutos da Praça dos Restauradores, o BessaHotel oferece academia, banho turco, sauna e piscina coberta.

WiFi gratuito está disponível e os quartos são decorados em estilo vintage, dispondo de ar-condicionado, sistema de som com Bluetooth integrado, mesa de trabalho e TV de tela plana via satélite/a cabo. Alguns quartos também dispõem de varandas com vista da cidade.

O Bessa Hotel Liberdade fica a 500 metros do Rossio e a 700 metros da área comercial do Chiado.

Caso você prefira se hospedar na casa em um local, com o conforto e aconchego típico de um lar português, reservando aqui você garante um cupom de R$ 130,00 de desconto na sua primeira reserva no Airbnb.

Lisboa | Por @mariliaprincy
Lisboa | Por @mariliaprincy

Onde comer em Lisboa

Opções boas não faltam! Lisboa tem uma infinidade de ótimos lugares para uma boa refeição, um lanche, café da tarde e, claro, aquele doce esperto depois do almoço.

Por mais que existam muitas opções, é importante fazer reserva prévia, principalmente para os restaurantes mais requisitados da cidade.

Time Out Market:

O Time Out Market, também conhecido como Mercado da Ribeira (localizado na avenida 24 de julho, no Cais de Sodré) é um galpão com muitas opções gastronômicas.

Está sempre lotado, mas é muito recomendado, pois cada standard oferece um tipo de comida diferente. São muitas variedades. Além de ser um passeio bem típico da cidade, claro!

O que mais me agradou foi a possibilidade de experimentar comidas de chefs renomados (inclusive com estrela Michelin) a preços muito menores ao que pagaria no restaurante tradicional.

A comida é mais simples, é verdade! Mas a experiência do lugar é bem bacana. São diversas mesas comunitárias no centro e os standards de comida nas laterais, rodeando todo o galpão.

Também há opções de doces, chocolates e sorvetes, além de uma filial da Manteigaria, um dos mais famosos pastéis de nata da cidade.

Nossas escolhas no Time Out Market:

  • Almoço no standard do Chef Alexandre Silva: 31 euros (2 pratos de arroz negro + 2 taças de vinho).
  • Espaço TimeOut: 12,50 euros por pessoa.

Esse Espaço TimeOut tem uma proposta bem diferente: fica num espaço parcialmente fechado (com vidros na laterais, mas aberto em cima) e trabalha com menu do dia.

Dois chefs diferentes se alteram (conforme dia e horário) e cozinham na frente do cliente. Também há uma funcionária auxiliar, que recebe as pessoas e serve os pratos.

Por 12,50 euros você tem uma refeição completa: couvert, prato principal, sobremesa e duas taças de vinho (branco e tinto).

Não é nada super elaborado, mas a ideia é bem legal!

Cantinho do Avillez

Localizado no Bairro Chiado (Rua dos Duques de Bragrança, 7), o Cantinho do Avillez, do renomado Chef português José Avillez, é um bistrô charmoso e aconchegante, perfeito para um almoço durante o dia que estiver passeando pelo centro histórico.

Pedi um polvo que estava super macio. Foi um dos melhores de toda a viagem.

Rodrigo pediu bacalhau, mas sem dúvida o polvo, além de bem servido (porção mais generosa), estava mais gostoso. Enfim… Recomendo o polvo, pois bacalhau pode deixar para comer no Laurentina (especialista em bacalhau – vou falar mais sobre ele abaixo).

A conta ficou 64 euros (couvert, água, 2 taças de vinho, 2 pratos principais, 1 sobremesa).

Não fizemos reserva, mas chegamos cedo, logo que abriu (embora os restaurantes em Lisboa abram tarde – por volta das 12:30 é o comum).

LX Factory

Localizado no bairro Alcântara (Rua Rodrigues de Faria, 103), o LX Factory (onde funcionava uma antiga fábrica) se trata de um complexo moderno e descolado, com opções de bares, restaurantes, tapas, sorveteiras, galerias, lojas de roupas e acessórios fashionistas.

Um ambiente gostoso tanto para comer/beber, quanto para passear.

Ao lado do Time Out Market é mais um lugar que combina com o estilo da “nova Lisboa” revitalizada.

Laurentina

O Laurentina (Av. Conde Valbom, 71A) é um restaurante bem tradicional para se comer bacalhau em Lisboa.

Uma grande variedade de opções no cardápio, pratos saborosos e bem servidos, além de ter um bom preço.

Confesso que eu não acertei tanto no prato que escolhi, pois pedi bacalhau à brás, mas não era bem o que eu queria no momento…

O bacalhau à brás acompanha batata palha, mas achei que veio uma quantidade muito além do ideal, então deixou o prato muito pesado. Rodrigo pediu um bacalhau com natas e adorou.

De qualquer forma, não é porque eu não me dei tão bem com minha escolha, que não vou indicar o Laurentina, pois o restaurante de fato é muito bom!

Um prato da para duas pessoas (considerando o padrão normal de comida servido nos restaurantes em geral).

A conta ficou 46 euros (2 pasteis de bacalhau de entradinha, 2 pratos principais, 1/2 garrafa de vinho, água).

Eleven

O Eleven foi o restaurante mais bonito em que estivemos durante a viagem.

Localizado no Parque Eduardo VII (Rua Marquês da Fronteira Jardim Amália Rodrigues), tem paredes de vidro e vista para o parque.

Fomos para o almoço e adoramos, pois aproveitamos a vista.

O restaurante é elegante e possui uma decoração bem clean. O atendimento também é muito bom, digno de figurar na lista dos melhores restaurantes da capital portuguesa.

Restaurante Eleven | Foto: Anna
Restaurante Eleven | Foto: Anna

Há diferença de cardápio e valores: o almoço executivo durante a semana engloba 3 etapas e apresenta um bom custo-benefício.

O menu degustação do jantar é mais completo, mas também apresenta preço mais elevado. Há, ainda, o menu especial de trufas, para quem busca uma experiência ainda mais sofisticada.

Nossa escolha foi mesmo o menu do almoço, que incluía couvert com vários tipos de pães selecionados (à vontade), todos deliciosos; entrada; prato principal; sobremesa e, depois da sobremesa, opções variadas de petit four (deliciosos).

Para acompanhar: vinho branco (incluso no valor do menu executivo).

As porções são pequenas, mas, ao final de tudo, saímos bastante satisfeitos e aprovamos a experiência.

A conta foi 82 euros (menu executivo de almoço em 3 etapas).

100 Maneiras

Para nossa última noite em Lisboa, escolhemos o restaurante 100 Maneiras, que funciona no estilo menu degustação.

Ouvi falar bem do restaurante e esperava um menu degustação com explosão de sabores, mas deixou a desejar. Alguns pratos saborosos, mas a sensação é que faltou um toque a mais… Os pratos mudam periodicamente, então caso decida conhecer o restaurante, provavelmente terá a chance de provar um cardápio diferente.

Mas o maior problema foi mesmo o tempo de espera entre um prato e outro. No total foram 3 horas para o menu completo ser servido (começou num ritmo bom, mas depois foi ficando cada vez meus demorado).

Em resposta à avaliação que fiz no TripAdvisor, o restaurante se desculpou, informando que na época da visita a equipe ainda estava se adaptando ao novo meu, mas que o problema já foi solucionado.

O menu (sem harmonização de vinhos) custa 60 euros por pessoa. Optamos por fazer sem a harmonização e comprar uma garrafa a parte.

SUD

Localizado entre o Bairro de Belém e Alcântara (Avenida Brasília – Pavilhão Poente), o SUD fica na margem do Rio Tejo e tem bela vista para a Ponte 25 de abril.

Era um dos restaurantes da nossa lista, mas faltou dia no nosso roteiro e, infelizmente, não tivemos tempo suficiente para conhecê-lo.

Mesmo sem ter ido, resolvi inclui-lo na lista, pois de fato foi um restaurante que adoraria ter visitado, principalmente pelo ambiente todo moderno e sua bela localização.

Se sua viagem for durante o verão, então a indicação é ainda mais forte, pois o SUD possui uma piscina sazonal com vista para o Rio Tejo, onde há DJ tocando durante os meses mais quentes do ano.

JNcQUOI

O JncQUOI (Av. Liberdade, 182-184) está em alta, aparecendo na mídia como o restaurante mais requisitado de Lisboa.

Infelizmente não vou conseguir passar minha impressão pessoal. Explico as razões:

Mesmo vendo alguns comentários não tão bons acerca do local (conforme avaliações dos viajantes no TripAdvisor), ainda assim resolvemos fazer reserva no JncQUOI.

Porém, na véspera, quando encontramos nossa amiga Marilia (com quem fizemos um ensaio fotográfico na cidade – contarei sobre isso ainda nesse post), que está morando em Lisboa, ela nos disse que o restaurante estava sim em alta, mas que ainda não tinha conhecido justamente por também não ter ouvido referências confirmando a excelência do lugar…

Além disso, a blogueira @jujunorremose havia ido ao restaurante na noite anterior e criticou os pratos, afirmando que embora o lugar foi lindíssimo, os pratos não eram tudo aquilo que se espera. 

E, considerando o valor do investimento, aliado aos feedbacks não tão favoráveis, por receio de nos frustrar, acabamos cancelando a reserva.

Confesso que, em parte, fiquei chateada por cancelar (bateu um arrependimento por ter perdido a chance de conhecer), mas sei que terão novas oportunidades para conhecer ótimos restaurantes nesse mundão afora!

Se você já foi, ou pretende conhecer esse restaurante, conta pra mim nos comentários ao final do post! Vou adorar saber a sua opinião!

Agora o MV também está presente no TripAdvisor! Clique aqui para seguir nossa conta e conferir todas as nossas avaliações!
Lisboa – Miradouro Portas do Sol | Foto: Anna

Sugestões de passeios para o seu roteiro

Como foi dito no início desse post, 3 dias é o tempo mínimo que eu indico para conhecer Lisboa. Se conseguir separar 4 dias do roteiro só para a capital, vai conseguir fazer muita coisa boa!

Além dos tradicionais pontos turísticos, quem visita Lisboa tem que ter em mente que ela é uma cidade para ser curtida, para ser desbravada caminhando, apreciando a vista… Então pensar apenas em conhecer o ponto turístico 1, 2 e 3, não vai te trazer a melhor experiência do que realmente é conhecê-la.

Além disso, considere um dia extra para conhecer os balneários de Estoril e Cascais, caso ainda não tenha passado por eles em outra parte da viagem, bem como possíveis ‘bate-volta” a partir de Lisboa, como é o caso de Sintra e Óbidos.

Belém

O primeiro destino que fiz questão de conhecer em Lisboa foi Belém, pois é lá que está a Torre de Belém, o Padrão dos Descobrimentos (também chamado de Monumento aos Descobrimentos), o Mosteiro dos Jerónimos e o legítimo Pastel de Belém.

Todos esses passeios você pode fazer a pé, e o passeio pela margem do Rio Tejo é uma delícia:

  • comece pela Torre de Belém;
  • caminhe até o Padrão dos Descobrimentos;
  • atravesse a Praça do Império até chegar ao Mosteiro dos Jerónimos;
  • ande mais um pouco e chegará na pastelaria Pasteis de Belém.

Para traçar as rotas e não me perder, eu costumo usar o Google Maps (mas há vários aplicativos com essa função – eles montam a sua rota conforme os pontos de interesse informados).

Para isso, imprescindível está com um bom chip internacional que te atenda durante toda a viagem. Eu sempre utilizo o chip SimPremium, porque confio na qualidade! E se você adquirir seu chip SimPremium por aqui, terá 10% de desconto ao utilizar o cupom “maladeviagem”.

  • Torre de Belém

Construída há mais de 500 anos é, sem dúvida, o cartão-postal de Lisboa. Tanto é que foi classificada como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Quando construída, ficava no meio do Rio Tejo, mas atualmente, em decorrência dos aterros, está localizada na margem do rio.

Já teve função de forte, prisão, alfândega e farol, sendo hoje um dos pontos turísticos mais visitados do país.

É possível fazer visita interna e os preços e horários podem ser conferidos aqui.

Torre de Belém | Foto: Anna
Torre de Belém | Foto: Anna
  • Padrão dos Descobrimentos

Este monumento (também conhecido como Monumento aos Descobrimentos) foi construído em homenagem aos navegadores portugueses que saíram em expedições marítimas nos séculos passados, remetendo ao período das grandes navegações e colonizações.

Monumento aos Descobrimentos | Foto: Anna
Monumento aos Descobrimentos | Foto: Anna
Monumento aos Descobrimentos em Belém | Foto: Anna
Monumento aos Descobrimentos em Belém | Foto: Anna
  • Mosteiro dos Jerónimos

A construção do Mosteiro dos Jerónimos levou mais de 90 anos e foi finalizada em 1502. Trata-se de um dos maiores mosteiros de Portugal.

Abriga hoje os túmulos de Vasco da Gama, Luis Vaz de Camões e Fernando Pessoa, e também foi classificado como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

É possível fazer visita interna e os preços e horários podem ser conferidos aqui.

Mosteiro dos Jerónimos | Foto: Anna
O grande Mosteiro dos Jerónimos | Foto: Anna
Mosteiro dos Jerónimos | Foto: Anna
Mosteiro dos Jerónimos | Foto: Anna
  • Pastéis de Belém

Primeiro é importante fazer uma distinção entre “pastel de nata” e “pastel de Belém”:

Embora os dois nomes se refiram, em tese, ao mesmo doce típico português, na verdade não podemos chamar pastel de nata de pastel de Belém, embora o contrário seja possível.

Os pasteis que são vendidos em Portugal de forma geral, chamam-se “pasteis de nata”, enquanto apenas os pasteis de nata vendidos na pastelaria Pastéis de Belém é que se chamam pasteis de Belém!

Portanto, é lá em Belém que está a pastelaria original, onde são vendidos os originais, tradicionais, crocantes e deliciosos pasteis de Belém.

A confeitaria existe desde 1837 e a receita é guardada às sete chaves! Provei outros pasteis de nata durante a viagem (inclusive o da Manteigaria, que muitos adoram e alguns dizem ser até melhor que o de Belém), mas meu preferido de fato foi o legítimo de Belém mesmo! Achei mais crocante, com uma casquinha fininha e deliciosa por fora, e cremoso por dentro.

A fama é de que o lugar está sempre lotado, sendo comum ter fila na parte externa. Nossa viagem foi feita no período de baixa temporada (novembro) e não pegamos fila, embora estivesse cheio.

Há duas opções: pegar o pastel ali na frente para viagem, ou sentar em uma das mesas do estabelecimento (que é enorme).

Chiado, Bairro Alto e Baixa

Toda a região faz parte do centro histórico de Lisboa, onde as ladeiras e ruas estreitas deixam suas marcas!

Começamos o passeio pela Praça Luis de Camões (praça principal do Chiado) e caminhamos por toda a região, conhecendo as lojinhas, cafeterias, livrarias, sorveteiras… O Chiado se trata de um bairro boêmio, considerado um reduto de artistas, poetas, escritores e intelectuais de Lisboa.

Hoje o Chiado é um dos lugares mais visitados da cidade. É lá que se encontra a Livraria Bertrand, em funcionamento desde 1732, o centenário Café à Brasileira, onde há uma estátua de Fernando Pessoa, os Armazéns do Chiado e o Museu de São Roque, que é um dos mais antigos de Lisboa e possui um grande acervo em arte sacra.

E é nessa mesma região que você encontrará um dos melhores (há quem diga que é o melhor) pasteis de nata de Portugal: a Manteigaria – fábrica de pasteis de nata conhecida como forte concorrente dos pasteis de Belém.

Segue a listinha dos pontos de interesse dessa região:

*Lembrando que é só colocar os destinos desejados no Maps (ou algum app de sua preferência) para que a rota seja traçada da forma mais otimizada para você.

  • Praça Luis de Camões

A Praça Luis de Camões também é um bom lugar para ser visitado já durante a noite. Estivemos por ali na última noite da viagem (quando fomos jantar no restaurante 100 maneiras, que fica próximo) e fiquei surpreendida com a quantidade de turistas transitando naquela região quando anoitece. Um clima muito gostoso.

  • Café à Brasileira

Como tínhamos acabado de tomar café da manhã, passamos no Café à Brasileira apenas para conhecer e tirar uma foto com a estátua de Fernando Pessoa.

Café à Brasileira | Foto: Anna

  • Livraria Bertrand

Trata-se da livraria mais antiga do mundo em funcionamento. Mantém as portar abertas desde 1732, foi reerguida após o terremoto que devastou Lisboa, já foi cede de discussões políticas de escritores como Alexandre Herculano e Eça de Queirós.

  • Elevador de Santa Justa

Esse elevador foi inaugurado em 1902 e se trata, na verdade, de um transporte público, pois liga Baixa e Alta Lisboa. Tem uma bonita estrutura toda em ferro e vista panorâmica da cidade no seu topo.

Miradouro do Elevador Santa Justa | Foto: Anna
Miradouro do Elevador Santa Justa | Foto: Anna

Paga-se o ingresso para subir no elevador e chegar ao miradouro (cerca de 5 euros). A vista é bonita, mas não se trata de uma atração imperdível. Se estiver com fila, acho que não vale a pena esperar.

  • Rua Augusta e Arco da Rua Augusta

A Rua Augusta (planejada por Marques de Pombal) é uma das mais famosas da cidade – uma rua toda plana dedicada ao tráfego de pedestres, e onde o comércio borbulha!

Também é nessa rua que você encontrará a Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau (Rua Augusta, 106) – absolutamente imperdível! Provei um pastel desse na filial da cidade do Porto e, mesmo não sendo fã de frituras, esse pastel foi exceção, pois é bem sequinho, crocante e recheado com um bacalhau bem temperadinho e queijo da Serra da Estrela!

O final da Rua Augusta coincide com a entrada para a Praça do Comércio, e a divisão é feita por um arco, chamado de Arco Triunfal da Rua Augusta.

É possível subir no arco (entrada lateral) ao custo de E2,50.

Arco da Rua Augusta | Foto por @mariliaprincy

  • Praça do Comércio

Ela é enorme! A maior da cidade e uma das maiores de toda a Europa, com 36 mil metros quadrados. Está bem na frente do Cais das Colunas, no Rio Tejo. Antes do terremoto de 1755, a praça era ponto de desembarque de navios e local da residência real. Após o terremoto, Marques de Pombal mandou fazer a praça para  simbolizar nova fase da cidade.

Praça do Comércio | Foto por @mariliaprincy
Praça do Comércio | Foto por @mariliaprincy
  • Mercado da Ribeira/Time Out Market

Caminhar da Praça do Comércio até o Mercado da Ribeira é um programa muito gostoso, pois a vista do caminho é belíssima, com a Ponte 25 de Abril cortejando o Tejo.

Rio Tejo
O caminho | Foto: Anna

Alfama

Alfama se trata do bairro mais antigo de Lisboa e também pertence à região do centro histórico. Não dá pra ir até a cidade e não conhecer o bairro.

O interessante é que ele foi o único bairro que continuou intacto mesmo após o fatídico terremoto que atingiu Lisboa em 1755.

Por ser um bairro antigo, vá sabendo que vai precisar subir e descer muitas ladeiras, mas que é justamente isso que dá charme ao lugar.

A cena mais tradicional de Alfama são os prédios baixos colados uns aos outros, as roupas penduradas no varal improvisado do lado de da janela, e a movimentação simultânea entre turistas e residentes. 

Alfama e suas ruelas | Foto por @mariliaprincy

Para quem quer experimentar uma tasca portuguesa, o bairro é super bem servido de tasquinhas! Fica como sugestão o Zé dos Cornos, Pateo 13, As Bifanas do Afonso, O Velho Eurico ou a Tasca do Chico.

*Se você ainda não sabe o que é uma tasca, segue uma singela explicação: tasca ou tasquinha é um estilo de “boteco” português, geralmente simples e com comida boa, caseira e barata. Não espere por um super atendimento, mas espere por uma boa experiência portuguesa!

Se quiser ouvir fado, em uma tradicional casa de fado, Alfama é o lugar mais indicado para isso também.

Não vale nem a pena arriscar ir de carro até Alfama, foi as ruas são estreitas e muitas só permitem trânsito de pedestres.

Agora segue a listinha de lugares para visitar no bairro de Alfama:

  • Castelo de São Jorge

O castelo foi construído pelos muçulmanos, com a função de proteger a cidade das invasões romanas.

Durante as cruzadas, quando o rei de Portugal Dom Afonso Henriques comandou a retomada do forte, o Castelo de São Jorge passou a ser o Paço Real. Assim, foi no século XIV que o castelo se tornou residência dos reis portugueses e recebeu o nome atual.

O Castelo de São Jorge está localizado no ponto mais alto do bairro de Alfama. Inclusive, o ponto mais alto de Lisboa é justamente uma das torres do castelo, que possui mais de 100 metros de altura.

Hoje o Castelo abriga exposições, museus e eventos culturais.

Para conferir horário de funcionamento e valores do ingresso, acesse o site oficial.

Alfama | Foto por @mariliaprincy
Alfama | Foto por @mariliaprincy

A Dani (blog Na Mochila da Ninja) visitou o Castelo São Jorge e contou todos os detalhes sobre esse icônico ponto turístico da cidade. Vale a pena conferir as dicas!

  • Sé de Lisboa

Subindo a ladeira em direção ao Castelo de São Jorge, a primeira parada é a Catedral da Sé, considerada Monumento Nacional desde 1910.

A Sé de Lisboa é um dos templos mais importantes da cidade e foi construída em cima de uma antiga mesquita. O templo abriga a pia onde Santo Antônio foi batizado (é o santo padroeiro de Lisboa).

A catedral sofreu com o terremoto de 1755, passando por várias reformas. Hoje apresenta uma mescla de estilos arquitetônicos: romantismo, gótico e barroco.

  • Miradouro das Portas do Sol

Se quiser chegar em Alfama da forma mais típica possível, pegue o eléctrico 28 (bondinho), que para em frente do Portas do Sol.

Achei o Miradouro das Portas do Sol o melhor lugar para se ter uma bela vista da cidade. Renderam belas fotos.

Miradouro Portas do Sol | Foto: @mariliaprincy
Miradouro Portas do Sol | Foto: @mariliaprincy

Inclusive, aproveito o momento para contar sobre o ensaio fotográfico que fizemos com uma fotógrafa profissional em Lisboa.

Marilia (IG: @mariliaprincy) é baiana e está residindo em Lisboa já faz alguns meses. Ela foi para estudar, e trabalha fazendo ensaios lindos dos turistas brasileiros que visitam a capital.

Passamos uma tarde toda passeando pelo centro histórico, tirando fotos e jogando conversa fora. Foi uma delícia de passeio, pois além de voltar para casa com as mais lindas fotos de Lisboa que eu poderia ter, Marilia ainda foi nossa guia por um dia.

Assim, considerando a ótima experiência que tivemos e a amizade que fizemos, não poderia deixar de indica-la a você, pois além de querida e simpática, ela tira fotos sensacionais!

*Muitas fotos aqui desse post foram tiradas pela Marilia, conforme consta na legenda de cada uma delas.

  • Panteão

O Panteão Nacional, marco da arquitetura barroca, foi uma igreja até 1910 (Igreja de Santa Engrácia), quando foi então transformado em monumento em homenagem aos cidadãos portugueses de prestígio.

Hoje abriga o túmulo de ex-presidentes e da cantora de fado Amália Rodrigues.

Para conferir horário de funcionamento e valor do ingresso, clique aqui.

Avenida da Liberdade e Parque Eduardo VII

A Avenida da Liberdade é a Champs Elysées de Lisboa. Uma avenida extensa, ampla, arborizada e cheia de bons hotéis e lojas de grife.

Avenida da Liberdade | Foto: Anna
Avenida da Liberdade | Foto: Anna

Caminhar com ela é uma delícia… Principalmente se você tiver em mente fazer alguma comprinha. Mas se não quiser comprar nada, vale a pena percorrer ela do mesmo jeito, pois é uma delícia de lugar.

Como roteiro, sugiro:

  • Almoçar no restaurante Eleven
  • Caminhar e pelo Parque Eduardo VII 
  • Passear pela Avenida da Liberdade
  • Pegar o Ascensor da Glória (funicular que liga o Bairro Alto e a Baixa)
  • Finalizar o roteiro no Miradouro São Pedro Alcântara (Bairro Alto)
Parque Eduardo VII | Foto: Anna
Parque Eduardo VII | Foto: Anna

Na esquina da Liberdade com a Calçada da Glória, está o ascensor da Glória, um bondinho que circula apenas ali naquela rua, levando as pessoas de cima para baixo, de baixo para cima (isso desde 1885). O bilhete é comprado na hora (a bordo). 

Em Lisboa há outros 3 ascensores com a mesma função: elevador de Santa Justa, ascensor da Bica e ascensor do Lavra.

Outra sugestão é acrescentar uma loja de sardinha muito famosa e fofa no roteiro, chamada: O Mundo Fantástico da Sardinha Portuguesa e aproveitar para conhecer também o elevador de Santa Justa.

Loja mais fofa de Lisboa | Foto: Anna
Loja mais fofa de Lisboa | Foto: Anna

Se você é apaixonada por fotos como eu, incluir uma passadinha no ascensor da Bica em um dos dias da viagem, é um noa ideia também (e a querida @mariliaprincy arrasando nos cliques mais uma vez):

Parque das Nações

O Parque das Nações representa a Lisboa moderna, bem diferente do centro histórico.

O Parque foi construído para a Expo de 98, que teve como temas o oceano e a comemoração aos 500 anos do período das grandes navegações e descobrimentos portugueses.

Na região você poderá visitar o Oceanário, o Pavilhão do Conhecimento e o teleférico de Lisboa.

Estoril e Cascais

Estoril e Cascais são dois balneários lindinhos e próximos a Lisboa.

Eu passeio por eles no início da viagem, mas você pode optar por fazer um “bate-volta” a partir de Lisboa (são 30 minutos até elas).

Também é possível chegar até essas cidades litorâneas de comboio (trem), que parte da estação Cais do Sodré.

Cascais é chamada de Riviera Portuguesa – já foi muito elitista, mas hoje é bastante frequentado por turistas, principalmente durante os meses de verão.

É em Cascais que está a famosa “Boca do Inferno“, uma formação rochosa bem peculiar: ali a força das águas é tamanha, que cria uma imagem surreal quando as ondas batem nas rochas. Suspeita-se que no passado o local era uma gruta, e que com o tempo e a força do mar, acabou cedendo e dando origem ao cenário atual.

Boca do Inferno | Foto: Anna

Estoril é menorzinha, mas igualmente charmosa. Todavia, por se tratarem de cidades litorâneas, são muito mais convidativas nos meses mais quentes.

Passamos rapidamente por Estoril, mas o tempo estava fechado e até chuviscando um pouco. Na sequência, seguimos para Cascais, passando primeiro na Boca do Inferno e depois no centrinho.

Dia fechado em Estoril | Foto: Anna
Dia fechado em Estoril | Foto: Anna

O centrinho de Cascais é uma graça: a cidade é arborizada, tem um calçadão para trânsito de pedestres e muitas lojinhas de artesanatos.

Centrinho de Cascais | Foto: Anna
Centrinho de Cascais | Foto: Anna

Nesse dia escolhemos o restaurante Casa Velha para almoçar (aconchegante, bom atendimento, comida boa, mas não excepcional). Pedimos meia garrafa de vinho, couvert de pães, queijo de azeitão e manteiga, e 2 pratos de bacalhau (a conta ficou 50 euros).

Restaurante Casa Velha em Cascais | Foto: Anna
Restaurante Casa Velha em Cascais | Foto: Anna
Sempre que você faz alguma reserva ou adquire algum produto/serviço utilizando um link aqui do blog, eu ganho uma pequena comissão do site. Você não paga nada a mais por isso e ainda me ajuda a manter o Mala de Viagem atualizado e sempre cheio de novidades!

Aluguel de carro

Rent Cars

Seguro Viagem

Seguros Promo

Passagens aéreas baratas

Passagens Promo

Passeios e ingressos

Get Your Guide

Chip Internacional

SimPremium

 

:::Gostou desse guia de Portugal? Deixa pra mim sua opinião nos comentários, pois ela é muito importante para que eu melhore cada vez mais a qualidade do conteúdo oferecido aqui no blog MV!

Você gosta das minhas dicas? Então aproveita e segue também o @maladeviagem no Instagram, assim você poderá acompanhar todas as minhas viagens em tempo real!
Agora o Mala de Viagem também está no TripAdvisor, com todas avaliações de cada experiência da viagem!
Já se inscreveu no nosso canal? Se ainda não, aproveita para se inscrever agora: Blog Mala de Viagem no Youtube.

Salve esse post no Pinterest:

Anna
Anna
Escorpiana assumida, Defensora Pública em MS e wanderlust por natureza. Está sempre programando uma nova aventura e em busca de experiências, porque acredita que a melhor viagem é sempre a próxima!