Lucerna

Lucerna, guia completo: tudo que você precisa saber para sua viagem

Pinterest LinkedIn Tumblr

Agora que você já decidiu viajar para a Suíça e escolheu incluir a charmosa cidade de Lucerna no seu roteiro, esse post vai te auxiliar no planejamento da sua viagem, para que sua passagem por Lucerna seja memorável. Aproveite esse guia completo e desfrute de uma das cidades mais incríveis do norte da Suíça.

A Suíça é um país pequeno, localizado no centro da Europa, fronteiriço com Alemanha, França, Itália, Áustria e Liechtenstein. Composto por 26 cantões (estados), possui 4 idiomas oficiais: francês, italiano, alemão suíço e romanche, que variam conforme a região do país. Por isso você escuta falar “Suíça francesa”, “Suíça alemã” e “Suíça italiana”.

O idioma oficial alemão suíço é o mais falado, visto que dos 26 cantões, 19 integram a “Suíça alemã”.

Por que Lucerna?

Embora a Suíça seja um país pequeno, há muito o que se conhecer lá. Dificilmente alguém consegue conhecer “toda” a Suíça numa só viagem. Tal como acontece com a Itália, que também é um país super turístico, considere pelo menos duas ou três viagens longas para poder então dizer que “conhece bem a Suíça”.

Lucerna aparece como ótima sugestão para uma primeira viagem à Suíça, pois ela representa bem o país. Banhada pelo lago Vierwaldstättersee (ou Lago Lucerna), oferece aos seus visitantes passeios de barco (melhor desfrutado no verão), um encantador centro histórico, pontes do século XIV e ainda pode ser facilmente explorada a pé.

Enfim, independente da estação do ano, Lucerna, que pertence à parte alemã da Suíça, é uma cidade que encanta, seja por sua história, arquitetura, paisagens ou gastronomia. É um destino “must go” quando falamos em uma viagem para Suíça.

Além de ser uma cidade com muitos atrativos, por ser uma cidade bem centralizada, funciona bem como “base” para visitar outros atrativos turísticos da região, incluindo as montanhas Rigi e Pilatus (Lucerna fica no meio dessas montanhas), Monte Titlis (onde se pode ver neve o ano todo), as vilas alpinas na região de Interlaken, a exemplo de Adelboden, além dos famosos lagos Banalpsee e Blausee.

Documentos exigidos

Brasileiro não precisa de visto para entrar na Suíça (podendo permanecer por até 90 dias dentro do período de 6 meses), só passaporte com pelo menos 3 meses de vigência antes da validade.

Em tempos de pandemia, as regras extras de ingresso no país variam. Na data em que estou escrevendo esse post (março/22) não precisa de teste PCR nem antígeno para ingressar no país, desde que o visitante (adulto) esteja vacinado.

O antigo passaporte sanitário também deixou de ser exigido para ingresso em locais fechados, como restaurantes.

O seguro de viagem é obrigatório, com cobertura mínima de 30 mil euros, pois a Suíça assinou o Tratado de Schengen:

No site Seguros Promo você pode fazer uma comparação detalhada e fácil dos preços dos seguros ofertados, analisando qual tem o melhor custo benefício para a sua viagem. Contrate AQUI o seu seguro viagem com desconto, utilizando o cupom MALADEVIAGEM5

Permissão Internacional para Dirigir, a chamada PID, não é necessária. Quem aluga carro na Suíça pode usar a carteira nacional de habilitação (CNH).

Confira também aqui no Blog MV: Adelboden: a vila alpina ainda não explorada pelos turistas brasileiros.

Lucerna – Março/22

Localização de Lucerna

Estamos falando da região norte central da Suíça (parte alemã do país) e Lucerna está a 52km ao sul de Zurique, uma das principais portas de entrada na Suíça. É bem provável que seu voo pouse em Zurique e, se isso acontecer, você estará pertinho de Lucerna, podendo optar por passar pelo menos uns dois dias em Zurique, ou então seguir direto para Lucerna.

Historicamente, a cidade que hoje possui cerca de 80 mil habitantes, está entre as principais cidades do norte da Suíça, que integrou a Confederação Suíça em 1332.

Outras distâncias:

  • 1 hora desde a capital Berna
  • 1 hora desde Basiléia
  • 3 horas desde Genebra
  • 1 hora e 30 minutos desde Interlaken
  • 2 horas desde Lugano

Como chegar em Lucerna?

O aeroporto de Zurique é a principal porta de entrada no país. A Swiss opera voos diários e diretos desde São Paulo e a companhia Edelweiss tem voos diretos a partir do Rio de Janeiro.

Desembarcando em Zurique, você pode chegar em Lucerna de trem. Essa é a principal forma de locomoção na Suíça.

Pousando no aeroporto de Zurique, siga as placas e atrevesse para o outro lado do aeroporto. Após descer as escadas rolantes você verá as plataformas de trem. A cada 30 minutos sai um trem de Zurique (dentro do aeroporto) em direção a estação Bahnhof, que é a única estação de trem de Lucerna. Você pode comprar os tickets na hora pelo valor de 30 CHF/março de 2022 (dificilmente os tickets irão esgotar) ou mesmo pelo app da SBB (comprando com antecedência você pode conseguir valores melhores):

Você pode conferir todos os horários e tarifas no site da SBB. Lembrando que para buscar as opções a partir do aeroporto de Zurich, você deverá escolher Zürich Flughafen.

Quando você compra uma passagem de trem isolada, ela vale por 24 horas, o que significa que não há necessidade de embarcar no horário que você escolheu na hora da compra. Isso ajuda, pois se você se desorganizar no roteiro, atrasar e perder o trem, poderá pegar o próximo com o mesmo bilhete.

A viagem de Zurique a Lucerna dura aproximadamente de 1 hora de trem e no trajeto haverá lindas paisagens para serem contempladas. Dentro do trem existe um espaço/compartimento para as malas, mas o ideal é viajar com pouca bagagem (1 mala por pessoa) quando se pretende usar transporte público.

Se o seu roteiro pela Suíça for todo na base do transporte público, compensa comprar o Swiss Travel Pass, que te dá direito a viagens ilimitadas dentro do país. Você compra conforme a quantidade de dias que vai precisar (nesse caso você não precisará comprar separadamente cada passagem de trem que for usar, então facilita bastante o planejamento da viagem).

Para viagens solo ou em casal, com certeza o Swiss Travel Pass será uma boa opção. Com o Swiss Travel Pass alguns tickets e ingressos são gratuitos ou possuem bons descontos.  

Por outro lado, se o seu grupo é maior ou se por outra razão particular você não pretende viajar com transporte público pela Suíça, então saiba que as estradas são excelentes e alugar carro também aparece como uma ideia legal, visto que o carro de confere maior liberdade de horários e rotas.

Para quem não gosta de se prender a horários, viajar de carro pela Suíça não me parece má ideia.

A rota Zurique a Lucerna de carro leva cerca de 40 minutos.

Uma vez em Lucerna, caso seu hotel seja bem localizado, você poderá fazer os passeios a pé, pois é cidade é pequena e simples para se localizar. Se for necessário, você pode usar ônibus.

Taxi é caro na Suíça e Uber não é muito comum (existe nas cidades maiores, como Zurique). Transporte público é eficiente e cobre todos os pontos turísticos da região.

Para se orientar nas rotas, use o Google Maps, por isso é importante ter um celular com internet.

Leitor do blog MV tem 20% na aquisição do chip de celular SimPremium ao utilizar o cupom “maladeviagem”. Clique aqui para pedir o seu! É esse o chip que eu uso em todas as minhas viagens.

Quantos dias ficar em Lucerna?

Quantos dias ficar em Lucerna é uma pergunta difícil de ser respondida, pois depende do seu total de dias na Suíça e quais seus interesses.

Como eu disse, Lucerna é uma cidade base para conhecer muitos atrativos da região, então na hora de montar seu roteiro, você precisa considerar o tempo para conhecer a cidade em si + o tempo destinado aos passeios de bate-volta, incluindo as montanhas, as cidades vizinhas, os lagos, vilas alpinas e seus interesses pessoais (exemplo: uma viagem que inclui roteiros de trilhas, certamente demandará mais tempo do que aquelas que não incluem passeios dessa natureza).

Porém, para te dar uma base, considero que a partir de 3 dias é um tempo adequado para ficar em Lucerna. Se puder, considere 4 ou 5 dias, pois isso lhe possibilitará conhecer mais pontos turísticos nas redondezas.

Lembrando que os interesses e roteiros podem ser diferentes para uma viagem de verão e para uma viagem de inverno. Então a época da viagem tem relevância na hora de escolher a quantidade de dias em cada cidade.

E lembrando que aqui no blog MV sempre optamos por viagens “slow travel”, então se o seu estilo de viagem é “passar por 3 países em 15 dias”, as minhas dicas não se encaixarão para você (repare que estou recomendando de 3 a 5 dias apenas para Lucerna, que é uma das inúmeras cidades interessantes para se conhecer na Suíça).

Fonte: dreamstime.com

Não viaje sem seguro viagem:

No site Seguros Promo você pode fazer uma comparação detalhada e fácil dos preços dos seguros ofertados, analisando qual tem o melhor custo benefício para a sua viagem. Contrate AQUI o seu seguro viagem com desconto, utilizando o cupom MALADEVIAGEM5

Quando ir a Lucerna e o que levar na mala?

Depende muito do que você pretende fazer na Suíça. As quatro estações do ano são bem definidas, então temos basicamente 4 viagens diferentes para um mesmo local, com as variações próprias de cada estação.

Para quem quer aproveitar dias mais quentes e mais longos, encontrará uma Lucerna receptivas entre maio a setembro.

Lembrando que julho e agosto são meses de férias de verão na Europa, então é alta temporada, os preços estão mais altos e os lugares mais cheios.

Lucerna ganha vida no verão, pois estamos falando de uma cidade agraciada com um belo lago. No verão as pessoas nadam no lago, passeiam pelas ruas, fazem piquenique, happy hour... é um clima diferente, mais contagiante, já que só escurece lá pelas 21 horas.

Por outro lado, para quem sonha com a legítima Suíça invernal, os meses entre dezembro a fevereiro são os mais indicados. Novembro e março podem ser meses com grande incidência de chuva. Dezembro é fofo por conta dos Mercados de Natal, pistas de patinação no gelo, possibilidade de neve (não é certeza) e barracas de vinho quente pela rua. Abril já é um mês de transição… dizem que nunca se sabe o que vai encontrar em abril.

Estive em Lucerna no mês de março, pude curtir a cidade durante o carnaval de Lucerna (um dos principais da Suíça) e tive muita sorte com o tempo: dias lindos de sol (apesar do frio que ainda faz no início de março – entre 5 e 10 graus).

No inverno as temperaturas nas cidades variam de -2 a 7 graus e nas vilas alpinas costuma ser mais frio por conta da altitude. A programação/roteiro e a paisagem muda bastante. As trilhas indicadas no verão ficam encobertas pela neve, os lagos ficam congelados dando lugar a pistas de patinação no gelo, e as estações de esqui ficam a todo vapor. Para esquiar os melhores meses são janeiro e fevereiro, todavia, quem prefere esperar passar o pico da alta temporada, março ainda é uma boa ideia (principalmente a primeira quinzena).

Outra peculiaridade do inverno são dias mais curtos (escurece entre 16 e 17h), então compensa investir mais num bom hotel, pois em regra você acaba passando mais tempo nele do que numa viagem de verão que escurece bem mais tarde.

Particularmente, eu tenho a seguinte visão: se eu morasse na Suíça, provavelmente preferiria o verão, já que o clima é mais agradável para fazer as atividades regulares do dia a dia. Porém, como turista, eu gosto de tudo que é diferente, então quanto mais diferente da minha rotina, melhor! E o que poderia ser mais diferente para o brasileiro do que ver lagos congelados e montanhas cobertas de neve? Foi esse mesmo raciocínio que fiz quando decidi viajar para Islândia no inverno.

Quanto ao que levar na mala, isso vai depender da época da sua viagem.

Os meses mais frios do ano são dezembro, janeiro e fevereiro, quando a temperatura média fica perto de zero.

Novembro e março também são meses frios, com temperatura média na casa dos 5, 6ºC. Em abril já esquenta um pouco, mas a média fica entre os 8 e 10ºC.

Entre maio e setembro você terá as temperaturas mais altas: em maio pode fazer 18ºC, em junho 20ºC, em julho e agosto 22ºC e 18ºC em setembro. Outubro já fica mais frio, com mínima de 7 e máxima de 15ºC.

Essas informações de temperatura estão longe de ser absolutas, ok? Trata-se apenas de um norte para te guiar conforme cada mês do ano.

Resumidamente, não espere encontrar altas temperaturas em Lucerna e se sua viagem acontecer entre os meses de outubro a abril, é provável que seja necessário incluir algumas peças térmicas na mala.

Como eu disse, visitei Lucerna no início de março e peguei dias lindos de sol, porém com baixas temperaturas, sendo necessário uso de roupas térmicas e luvas.

Levei na mala as peças da marca brasileira Fiero, especializada em roupas, calçados e acessórios para o inverno, frio e neve. Graças a Fiero me mantive quentinha para passear pela cidade e caminhar pelos pontos turísticos sem passar frio.

Mais de 90% dos produtos da Fiero são produzidos no Brasil, todos com alta qualidadetecnologia e resistência térmica. Puder usar, testar e aprovar os produtos nessa viagem.

A temperatura mínima que me recordo foi 2ºC e a máxima não ficou muito longe de 10ºC. Foi necessário me vestir em camadas, com as roupas certas, para me proteger do frio.

Sempre por baixo de toda e qualquer roupa, eu usei as seguintes peças da Fiero:

Para completar o look, usei a calça legging em cirrê, que modela muito bem o corpo, além de ser toda forrada com tecido fleece.

E uma peça que não abri mão durante a viagem foi o sobretudo térmico Ottawa, com lã premium, todo forrado com fleece, que encaixou super bem em vários looks. Definitivamente é uma peça coringa para ter no guarda-roupa e levar nas viagens de inverno, tanto pela beleza quanto pelo conforto e qualidade.

Nos pés também usei Fiero:

Se você busca uma bota confortável e quentinha, essa é a minha indicação. Com ela caminhei o dia todo em Lucerna, sem dor e sem sentir meus pés gelados!

Uma dúvida muito comum é em relação à numeração da bota: recebi algumas dúvidas sobre ser ou não necessário pedir um número maior, considerando que a bota é toda forrada em lã. A resposta é não! Usei meu número habitual e foi ideal. Talvez seja necessário um número maior se você pretende usá-la com uma meia muito grossa, mas não há necessidade, visto que ela, por si só, esquenta o pé de forma suficiente. Inclusive, manter os pés aquecidos faz toda a diferença: se os pés ficam frios, o corpo todo fica frio também!

Além da excelente qualidade, a vantagem de comprar suas peças de inverno na Fiero é a possibilidade de escolher tudo na loja virtual, com entrega disponível para todo Brasil, com possibilidade de troca e cancelamento dentro do prazo legal.

Onde se hospedar?

Lucerna, como legítima cidade base para passeios bate-volta, tem uma excelente rede hoteleira, com opções para todos os estilos de viajantes.

Hotéis de luxo – 5 estrelas:

Embora não tenha classificação 5 estrelas no Booking, não poderia deixar de incluir nessa listar o Château Gütsch, um hotel luxuoso que funciona dentro de um castelo do século XIX, localizado no alto de uma colina, mas perto cidade.

Próximo a Lucerna está o mundialmente conhecido Hotel Villa Honegg, um hotel luxuoso com piscina de borda infinita e vista para os Alpes e para o lago Lucerna, muito procurado para viagens românticas, o Park Hotel Vitznau e os hotéis Bürgenstock (Residences Suites, Hotel & Alpine Spa e Waldhotel & Spa).

O Park Hotel Vitznau fica a 26km de Lucerna, e é mais indicado para viagens de verão, pois fica às margens do lago Lucerna. Mas se você não se hospedar lá, ainda assim pode fazer reserva em um dos seus dois restaurantes: o Focus (2 estrelas Michelin) e o Prisma (1 estrela Michelin).

Hotéis confortáveis – 4 estrelas:

O Art Deco Hotel Montana, apesar de 4 estrelas, aparenta ser bem luxuoso, localizado em uma parte mais alta da cidade, cujo acesso é feito de elevador a partir do lago. A vista é um ponto forte do hotel Montana e fica como sugestão para um jantar no por do sol (no período de verão, pois no inverno escurece antes do horário do jantar). Se o objetivo for só ver a vista, então fica como sugestão o bar Scala Terrace, do mesmo hotel.

Hotéis simples, categoria turística:

Hospedando-se em Lucerna, seja qual for o hotel, o turista recebe o VisitorCard, que dá acesso gratuito ao ônibus da cidade durante o período de estadia, bem como acesso ao WiFi.

O que fazer em Lucerna?

Lucerna é uma cidade charmosa e pequena, o que induz que caminhar será uma ótima opção para conhecê-la.

As atrações do centro histórico e a região do Lago de Lucerna são as atividades principais. Se a viagem for no verão, inclua também um passeio de barco pelo lago (no inverno também é possível, mas não tão agradável, justamente por conta do vento/frio).

Portanto, reserve um dia inteiro exclusivamente para Lucerna e, no restante dos dias da sua estadia, escolha alguns passeios bate-volta, conforme sua disponibilidade de dias.

Dentre as montanhas, destaque para Rigi, Pilatus, Stanserhorn e Titlis. Em Titlis você poderá ver neve o ano todo, nas demais haverá neve apenas no inverno.

Sugestão de roteiro de 1 dia em Lucerna:

centro histórico (cidade antiga) pode ser conhecido em um dia, pois tudo fica pertinho e o trajeto é para ser feito caminhando. Use o Google Maps para se orientar.

Leitor do blog MV tem 20% na aquisição do chip de celular SimPremium ao utilizar o cupom “maladeviagem”. Clique aqui para pedir o seu! É esse o chip que eu uso em todas as minhas viagens.

Ao visitar o centro histórico, fique com os olhos bem abertos e repare nas fachadas coloridas dos edifícios. Muitos têm pinturas que contam a história da família que morou ali, o negócio que tinham ou a história de todo o lugar.

Inicie o passeio a partir da estação de trem e siga até o moderno centro de convenções e cultura, o KKL, projetado pelo arquiteto Jean Nouvel, que criou um espelho d’água em sua fachada. No KKL acontece anualmente o Festival de Lucerna.

Ele é palco de diversos teatros e concertos de músicas e é também casa do museu de arte de Lucerna (Kunstmuseum). 

O próximo ponto turístico será a Ponte da Capela, sobre o rio Reuss, que é a ponte de madeira coberta mais antiga da Europa, construída em 1333, e também o cartão postal da cidade. Embora tenha passado por reformas, a ponte ainda mantém suas características originais. No meio da ponte está a Wassertum, uma torre de 43 metros de altura, construída no ano de 1303, que já foi usada como tesouraria, prisão e área de torturas. No verão e na primavera a ponte fica decorada com flores e as pinturas ilustram cenas da história Suíça.

Siga para a Igreja Jesuíta (Jesuitenkirche), uma igreja católica em estilo barroco construída no século XVII, para reafirmar o catolicismo em Lucerna depois da reforma protestante que aconteceu no norte do país.

Caminhe agora até a Igreja Franciscana, construída no século XIII, também em estilo barroco. Embora externamente essa igreja seja mais simples do que a primeira, tem em seu interior o púlpito mais decorado de toda a Suíça e bandeiras que representam as batalhas que Lucerna venceu na Idade Média.

Continue o passeio até Bahnhofstrasse, n. 21, onde fica a antiga farmácia, onde os antigos frascos onde os remédios eram vendidos antigamente foram mantidos na vitrine.

Mais uma ponte no roteiro: também feita de madeira e parecida com a Ponte da Capela, a ponte Spreuerbrücke foi construída no ano de 1408 e tem pinturas do século XVII em seu interior (o tema das pinturas dessa ponte é “Dança da Morte”). O objetivo das pinturas era reforçar o catolicismo para que a reforma protestante no norte da Suíça não ganhasse força em Lucerna. Ali da pra ver uma barragem de madeira que controla a passagem da água do rio Reuss, mantendo o nível do lago de Lucerna.

Ao cruzar a ponte, você estará no coração do centro histórico de Lucerna, onde há prédios antigos, belas fachadas, fontes, pinturas e brasões espalhados.

A próxima parada é na muralha medieval (Musegg) que protegia a cidade. No verão você poderá caminhar pela muralha e parar nas torres que tem pelo caminho (são 9 torres, sendo que 4 são abertas ao público entre os meses de abril a novembro).

A principal torre é a Time Tower (chamada de torre Zyt), onde está o relógio mais antigo de Lucerna, construído em 1535, que toca de hora em hora e sempre um minuto antes de todos os outros relógios da cidade. Desfrute da vista: a Torre Männli garante a melhor vista panorâmica da cidade.

O tour não poderia finalizar em outro lugar que não no Leão de Lucerna (Löwendenkmal), uma escultura em pedra de 1820, lapidada na montanha em homenagem à guarda suíça massacrada na revolução francesa (guarda que protegia o rei Luis XVI em Versailles).

Depois do tour, siga para o Lago Lucerna (chamado Vierwaldstätersee), que é o quarto maior lago da Suíça, e cercado por montanhas. No verão a sugestão é um cruzeiro panorâmico ou simplesmente caminhar pelo entorno do lago. Há várias opções de passeios pelo Lago Lucerna, desde cruzeiros temáticos, até rápidos passeios em barcos pequenos. 

Se não quiser fazer um passeio de barco, você pode usar o barco como forma de locomoção, pegando um dos barcos que ligam as cidades ao redor do Lago Lucerna.

Com mais tempo ou para quem aprecia arte:

O museu Sammlung Rosengart tem uma coleção com obras de artistas modernistas e impressionistas, como Pablo Picasso, Paul Klee, Kandinsky, Joan Miró e Pierre Auguste Renoir. Curiosidade: as peças faziam parte da coleção particular de Ângela Rosengart e agora são exibidas no museu.

Para quem viaja com crianças:

O museu do transporte é um museu interativo que desperta a curiosidade, principalmente das crianças. Foi inaugurado em 1959 e é o mais popular da Suíça.

Dividido em quatro partes (transporte marítimo, ferroviário, aéreo e rodoviário), ele conta a história do transporte através de exibições de filmes, seções temáticas e estações interativas. 

O ingresso custa CHF 32 para adultos, CHF 12 para crianças de 7 a 12 anos. Crianças até 6 anos não pagam. Com o Swiss Travel Pass tem desconto.

O funcionamento é diário, das 10 às 18h no verão e das 10 às 17h no inverno.

Passeios bate-volta a partir de Lucerna

Monte base em Lucerna e aproveite para conhecer uma ou mais montanhas e lagos da região.

Dica antes de subir uma montanha: sempre conferir como está o tempo no topo das montanhas – coloque no Google: “nome da montanha + webcam“. Por que fazer isso? Porque muitas vezes o tempo está fechado na cidade, mas a nuvem está entre a cidade e a montanha, ou seja: no topo da montanha o tempo está aberto.

Mont Pilatus

O nome surgiu de uma lenda: dragões viviam em Pilatus na Idade Média, e era ali onde o fantasma de Poncio Pilatus descansava. Teve até uma época em que era proibido escalar a montanha, por conta do “perigo de encontrar com os Dragões”.

Pilatus é uma das mais populares montanhas na Suíça e fica pertinho de Lucerna. Você poder chegar ao Mont Pilatus de transporte público ou carro alugado. Do centro de Lucerna até a base da montanha são cerca de 30 minutinhos.

Seja de transporte público ou carro, você chegará até a base das gôndolas. No verão existe uma peculiaridade: você consegue chegar até lá de trem pela estrada de ferro mais íngreme do mundo.

Para chegar até lá de transporte público, pegue um trem ou um barco até Alpnachstad. Depois pegue o trem para subir até o Monte Pilatus. Como segunda opção, é possível ir de ônibus até Kriens, do lado norte do Monte Pilatus, de onde se tem acesso ao Teleférico Dragon Ride.

O Monte Pilatus, conhecida como “A Montanha dos Dragões”, possui vários picos, o mais alto tem 2.132 metros, chamado Tomlishorn. Outros picos são Esel, Oberhaupt e Pilatus-Kulm, que medem 2.118, 2.105 e 2.070 metros, respectivamente.

A montanha tem boa estrutura para ir com crianças, principalmente no verão, quando há tobogã, arborismo e dá para chegar até lá com o trem (pela estrada de ferro mais íngreme do mundo).

Titlis

Titlis é a principal montanha perto de Lucerna, mas também a mais “distante” em comparação às demais. Titlis fica a cerca de 1 hora e 20minutos de Lucerna (com transporte público) – primeiro você pega o trem até Engelberg e depois uma gôndola até Stand e, por fim, outra gôndola até o monte Titlis.

De carro são apenas 40 minutos desde Lucerna. O jeito mais fácil é ir até a cidade de Engelberg. Chegando lá você poderá estacionar no estacionamento da Titlis, que custa 10 CHF no inverno e 5 CHF no verão.

Titlis é uma montanha bastante popular, pois fica em uma geleira, com neve o ano todo. Também chama a atenção devido ao seu bondinho giratório (último bondinho – o que pega para chegar ao topo). Tem boa estrutura de restaurantes, esculturas de gelo no Glaciar Cave e uma ponte suspensa (na última parada/cume).

O cume do Monte Titlis fica a 3.238 metros acima do nível do mar, para chegar lá é que você vai usar os bondinhos giratórios. No cume está a geleira e a ponte suspensa vazada mais alta da Europa, de 100 metros de comprimento (Titlis Cliff Walk a 3.000m de altitude) – esses são os pontos fortes do monte Titlis.

Para as crianças, a diversão fica garantida no Glacier Park, podendo escorregar em trenós e boias na neve. Esse ponto é abaixo do cume (duas paradas antes).

Para almoçar: Titlis Panorama Restaurant, Titlis Self-Service Restaurant, Titlis Snack Bar.

Na hora de comprar seu ingresso você vai ver que existem várias opções diferentes. A área de Engelberg-TITLIS têm 25 diferentes teleféricos , 82 quilômetros de pistas e inúmeras atividades. 

Existe opção de ingresso para quem vai esquiar, para quem só quer brincar nas estações de trenó e boia e para quem quer ir até o topo. Certifique-se na bilheteria quais são as opções para não comprar o ingresso errado.

Para quem pretende esquiar, é possível alugar os equipamentos na lojinha que tem na entrada da montanha.

Crianças entre 6 e 15 anos têm 50% desconto nas tarifas. Aqui você confere os valores.

Rigi

Embora seja uma montanha com menos altitude (o cume é chamado Rigi Kulm e está a 1.798 metros acima do nível do mar), é conhecida como a “A Rainha das Montanhas” e a vantagem é que está incluída no Swiss Travel Pass (quem compra o STP não paga nada para visitar Rigi).

O ponto forte do Monte Rigi é sua vista do Lago Lucerna e de outros tantos lagos (13 no total), além de mais de 100 km de trilhas, mirantes, banhos termais e esportes na neve. 

As vistas do topo da montanha se estendem até a Floresta Negra da Alemanha num dia de boa visibilidade. O monte é cercado pelas águas do Lago Lucerna, Lago Laurez e Lago Zug.

Como chegar: (você pode ir de um jeito e voltar de outro)

  • Primera opção: ir de trem até a cidade Arth-Goldau e lá pegar o funicular até o topo da montanha Rigi.
  • Segunda opção: pegar um barco em Lucerna até a cidade de Vitznau e lá pegar o funicular até o topo da montanha Rigi.
  • Terceira opção: pegar um barco em Lucerna até a cidade de Weggis e lá pegar o bondinho até Rigi Kaltbad (termas) e depois fazer a baldeação para o funicular, seguindo ao topo.

Se estiver de carro alugado, a viagem dura cerca de 45 minutos de Lucerna até o Monte Rigi. De carro você pode ir até Arth-Goldau, Weggis ou Vitznau, pois em todos há estacionamentos.

Dica bônus: para quem visita Rigi no inverno, mas quer se manter aquecido, a dica é conhecer as termas de Rigi Kaltbad (dentro de um hotel). Para entrar nas termas de Rigi Kaltbad você paga uma taxa que dá acesso às duchas, vestiário, banheiro e piscinas aquecidas. Rigi Kaltbad é uma das termas da Mineralbad & SPA da Suíça.

Horário de funcionamento: diariamente, das 11 às 19h. CHF 37 por pessoa (crianças até 6 anos não pagam e de 7 a 15 anos pagam mais barato).

Melchsee-Frutt

Trata-se de uma montanha familiar/ski resort ou uma opção de trilhas na época mais quentes (trilha dos 4 lagos). O lago Melchsee é a cereja do bolo.

Se não quiser fazer bate-volta, considere se hospedar no Frutt Mountain Resort.

Stanserhorn

Stanserhorn possui um bondinho conversível e só funciona no verão. Lembre-se que na primavera e verão, sua viagem pode incluir passeios diferentes, como trilhas e lagos (com possibilidade de mergulho em muitos deles).

Jungfraujoch (Topo da Europa)

Está localizada a cerca de 80 km de Lucerna e é um dos passeios mais famosos da região. Se você estiver em Interlaken serão apenas 20 km até a base da montanha.

O acesso ao topo necessariamente se dá pela ferrovia Jungfraubahn, construída em 1912 e até hoje é a única opção de transporte até o topo. No final da estação está o circuito Top of Europe.

Lá se vê neve o ano todo, porém, é um passeio mais indicado para se fazer no verão, já que no inverno você tem opção de conhecer montanhas mais próximas a Lucerna e com valor de acesso mais barato, e não passar tanto frio quanto no Jungfrau.

No Observatório Sphinx, a 3.572 metros, há uma plataforma de observação. Este é um dos mais altos observatórios astronômicos do mundo e abriga uma das estações de pesquisa do Global Atmosphere Watch, uma iniciativa da ONU para monitorar a atmosfera terrestre.

De trem são quatro horas de trajeto desde Lucerna. O ponto positivo é que a rota é muito bonita, passando pelos lagos Lungern e Sarnen e depois pelo Lago Brienz. A viagem demora, mas a rota é um passeio por si só.

Quando chegar em Interlaken-Ost você deverá pegar o trem de conexão para Lauterbrunnen até chegar a uma das primeiras paradas abaixo do Eiger, em Kleine Scheidegg.

Kleine Scheidegg é de onde todos os trens para Jungfraujoch partem. Nessa estação o visitante embarca em um trem de roda dentada.

Schilthorn (007)

Coloquei como opção para ir com bate-volta desde Lucerna, mas assim como Jungfrau, na verdade será melhor opção se você estiver em Interlaken, pegando o ônibus 311 na estação Interlaken Ost (35 minutos). A partir de Lauterbrunnen é só pegar o ônibus 141 (20 minutos) até a estação da gôndola em Stechelberg, que fica aos pés do Mt Schilthorn.

O trajeto da base até o topo da montanha passa por vários bondinhos. Será necessário fazer as baldeações pelo caminho. São 3 bondinhos até chegar ao topo. A primeira parada é em Gimmelwald, um dos vilarejos no alto da montanha. Em seguida Mürren e depois Birg. A última parada é Piz Gloria – o topo. Há valores diferentes de ingressos para cada uma das paradas.

O topo da montanha – Piz Gloria – tem 2970 metros de altitude. No pico Birg, de 2677 metros, estão os Skyline Walk e o Thrill Walk.

A Schilthorn Piz Gloria é a “Montanha do 007” (filme: A Serviço Secreto de sua Majestade ) e fica em Mürren, perto de Interlaken. Inclusive, na hora de montar seu roteiro, vale a pena visitar Mürren e o vilarejo Lauterbrunnen no mesmo dia.

O brunch no restaurante giratório no topo da montanha custa CHF 35, e é servido das 8 às 14h.

Como chegar:

Para quem viaja de carro, deve ir até Stechelberg (tem ônibus que leva até lá também), onde há um estacionamento privado e depois pegar os bondinhos.

A segunda opção é ir até Lauterbrnnen, de lá pegar um bondinho até Grütschalp e depois um trenzinho até Mürren e, então, os bondinhos.

Sugestão: combinar Schilthorn com Lauterbrnnen num roteiro de passeio de 1 dia.

Fronalpstock

A montanha Fronalpstock está a 2.000 metros de altitude e oferece linda vista do lago Lucerna.

Acontece com frequência de o cenário ficar todo coberto por nuvens e a vista também fica incrível assim.

Como chegar? Pegue o funicular inclinado em Schwyz até Stoos e depois um teleférico até Fronalpstock. Duração da viagem: 1 hora a partir de Lucerna.

Lago Bannalpsee

O Lago Bannalpsee fica no cantão de Nidwalden (27 km de Lucerna), perto de Lucerna e Engelberg, a 1500m de altitude, cercado por montanhas. No verão, as trilhas possibilitam um dia cheio de descobertas.

Os bondinhos para a montanha partem de Fellboden, no vilarejo de Oberrickenbach (25 minutos de carro desde Lucerna).

Para chegar de transporte público, pegue um trem da estação de Lucerna até a estação de Wolfenschiessen, e depois um ônibus até Oberrickenbach. Por fim, caminhe até o ponto Fellboden, de onde partem os bondinhos.

Em Fellboden existem dois bondinhos: um deles vai até Chrüzhütte, a partir dali serão cerca de 15-20 minutos de caminhada até o Bannalpsee. O segundo bondinho deixa direto no lago, sem necessidade de caminhar.

Sugestões de lugares para comer em Lucerna

Antes de falar sobre opções de restaurantes, vamos falar sobre gorjeta! Na Suíça não é necessário nem é costume deixar gorjeta. Portanto, fica a critério de cada um.

Fondue em Lucerna: ao invés de falar de cada restaurantes individualmente, achei melhor deixar o link de um site que a cada inverno coloca as principais sugestões para degustar um bom fondue na cidade e região.

Bolero: restaurante espanhol com pratos saborosos e bem servidos (foi o restaurante que eu mais gostei em Lucerna). Pedi polvo + 2 acompanhamentos (38 CHF), meu marido pegou a paella (38 CHF) e as taças de vinho custaram 14 CHF cada. Além disso pedimos uma entrada de bolinho de bacalhau (4 CHF). O valor total da conta para o casal foi 94 CHF, que é a média que se gasta para jantar nessa região (em um restaurante bom, mas não estrelado).

Restaurante Regina Montium: (premiado com uma estrela Michelin) o restaurante utiliza somente ingredientes sazonais e produtos sustentáveis ​ da Suíça ou das próprias hortas. O menu degustação possui 9 etapas e a promessa é uma explosão de sabores. O restaurante fica no hotel Kräuterhotel Edelweiss, no Monte Rigi. Exige reservas com antecedência.

Zur Werkstatt: tem filial em Lucerna, Zurique e St. Gallen. Ambiente aconchegante e jovial. Abre para café da manhã e brunch, para almoço e para jantar. Tem menu que contempla aperitivo, entrada e prato principal. No site você pode ver o menu de almoço e valores.

Barbatti: restaurante italiano. No site você já consegue fazer a reserva. Outras opções de restaurantes italianos em Lucerna: Pastarazzi e Grottino 1313.

Old Swiss House: restaurante tradicional muito elogiado.

Wirsthaus Tabe: restaurante para desfrutar de comida típica da Suíça-alemã. A boa pedida, para quem gosta, é o Cordon Bleu (38 CHF). É um restaurante para quem gosta de pratos com frituras e sabores mais fortes. Eu particularmente não gostei (pois não é o meu estilo preferido de comida).

La Perla Luzern: cardápio com opções de antepastos, saladas, massas, peixes e carnes. Pedi pasta ao molho de pistache com vieiras ( 31 CHF) e meu marido risoto com frutos do mar (31 CHF).

Opus Restaurant: restaurante charmoso, bar de vinhos e queijaria (fica ao lado da Igreja Jesuíta, com vista para o lago lucerna).

Rethaus Brauerei: bom para provar a “sausage” alemã. Um prato com sausage e batata suíça custa 27 CHF. O restaurante fica nas margens do lago. Achei gostoso, comeria novamente.

Cafés: Cafe Bar Mardi Gras, Confiserie Bachmann* (para café da manhã, lanches rápidos e sobremesas), Alpineum Kaffehaus (perto do monumento Leão de Lucerna), Mill’Feuille.

Na Confiserie Bachmann você pode tomar café da manhã (preço justo) e experimentar um bom chocolate quente (único lugar da Suíça que provei um bom chocolate quente, já que nos outros lugares nada mais era do que um leite ralinho com pouquíssimo chocolate).

Chocolates: na rua Hertensteinstrasse e arredores estão as melhores lojas de chocolates de Lucerna, como a Läderach (2 trufas: 8 CHF), Max Chocolatier, Bachmann e Heini.

Em resumo, até para que você não crie grandes expectativas, boa culinária não é o forte da Suíça-alemã (opinião pessoal). Em tese provamos bons restaurantes, mas o único que realmente me agradou foi o Bolero (restaurante espanhol). Em virtude da moeda valorizada, os preços são altos, como já sabemos, mas o gosto dos pratos não correspondem. *Opinião pessoal*.

Sempre que você faz sua reserva ou adquire um produto/serviço através de um link do MV, o blog recebe uma pequena comissão. Você não paga nada a mais por isso e ajuda a manter o Mala de Viagem sempre atualizado!

Hospedagem

Booking.com

Aluguel de carro

Rent Cars

Seguro Viagem

Seguros Promo

Passagens aéreas

Passagens Promo

Passeios e ingressos

Get Your Guide

Chip Internacional

SimPremium
Author

Wanderlust por natureza, no meu tempo livre estou sempre programando uma nova aventura ou experiência, pois acredito que a melhor viagem é sempre a que está por vir!

Write A Comment

O que levar na mala para uma viagem de inverno Viagem do mês: 10 destinos para viajar em novembro Viagem do mês: 10 destinos para viajar em outubro Viagem do mês: 10 destinos para viajar em setembro Viagem do mês: 10 destinos para viajar em maio Viagem do mês: 10 destinos nacionais para viajar em agosto Paris Museum Pass: descubra se ele vale a pena para a sua viagem Qual a melhor forma de usar metrô em Paris? Ideias de passeios para um roteiro de 5 dias em Paris Viagem do mês: 10 destinos para viajar em julho