EuropaIslândia

Islândia em 8 dias no inverno: o roteiro ideal para sua viagem

islandia-roteiro

Islândia, a terra do fogo e do gelo mostra como os opostos realmente se atraem: vulcões ativos se misturam com geleiras, geysers, fontes termais, cachoeiras, campos de lavas, praias de areia preta, numa simbiose antagônica perfeita, criando um dos cenários mais surreais do planeta. 

No verão tem sol da meia noite, no inverno tem aurora boreal. O que falta de beleza e fenômeno natural nesse país é realmente difícil dizer. E o melhor dessa história é que, apesar de ser um país exótico, com língua diferente e poucos habitantes, planejar uma viagem para Islândia não é difícil, como você verá nesse post. 

Islândia é considerado um país exótico e, de certa forma, ainda pouco explorado pelos brasileiros, mas três fenômenos fizeram com que passasse a ser um destino mais buscado pelos turistas a partir de 2008.

crise econômica mundial de 2008 tornou a Islândia um país mais acessível financeiramente. Não podemos dizer que é um país barato para brasileiros, mas é possível fazer uma viagem econômica, principalmente na baixa temporada. A Islândia te dá a possibilidade de modular os gastos da viagem de forma bem simples.

Outros fatores que popularizaram ainda mais o país foram a erupção do vulcão Eyjafjallajökull em 2010, e o aumento das gravações em paisagens islandesas, posteriormente utilizadas como locações de filmes, séries e clipes musicais. Posso citar e título de exemplo: Trapped, Passageiros da Vida, Sobrevivente, Viagem ao Centro da Terra, Metalhead, Coração de Pedra, Game of Thrones, Interestelar, Batman Begins, Thor. 

E para já te animar logo de cara, digo com certeza: cansei de ouvir por aí que a Islândia é um país caro para fazer turismo. Mas, a verdade é que fiz uma viagem de 8 dias no país, com bastante conforto, e voltei para desmistificar essa lenda, mostrando que da para modular a viagem conforme seu orçamento com facilidade.

Claro que não estamos falando de um país da lista dos países mais baratos do mundo para brasileiro turistar, mas com o planejamento adequado e escolhendo um período de baixa temporada, sua viagem provavelmente ficará mais em conta do que para países tradicionais, a exemplo da Itália.

Motivo da escolha e curiosidades sobre a Islândia

Minha viagem aconteceu entre fevereiro e março de 2020 (inverno) e teve duração de 8 dias.

Era hora de buscar algo novo, viajar para um país que desperta a curiosidade, levar ao conhecimento das pessoas que me acompanham no Instagram, em tempo real, aquilo que eu estava vivendo (todos os Stories da Islândia estão salvos nos destaques). 

O motivo inicial que me levou a escolher a Islândia como destino foi a facilidade de chegar até lá. Pois é, ao contrário do que muitos pensam, chegar no país é bem simples: um primeiro voo até Londres (inclusive nem gastei com esse voo, pois resgatei milhas Latam) e depois um voo com companhia lowcost (voei de EasyJet) até a Islândia. Fácil e barato. Vou falar melhor sobre isso adiante.

Depois que analisei a facilidade de acesso, passei a pesquisar sobre o país e fui me apaixonando antes mesmo de pisar em solos islandeses. E um pouco do que aprendi, venho agora compartilhar com você.

A Islândia já foi um dos países mais pobres da Europa. Sua evolução econômica teve início com o Plano Marshall, ao final da Segunda Guerra. O desenvolvimento veio acompanhado da redução do desemprego e distribuição de renda igualitária, sendo hoje um dos países com menor desigualdade social.

Já foi eleito o melhor país da Europa para se viver, é extremamente seguro, com criminalidade baixa (crimes com violência são praticamente inexistentes). Nem mesmo a polícia usa armas.

Situada ao sul do círculo polar ártico, integra a lista dos países nórdicos: Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia, além das regiões autônomas: Ilhas Faroé, arquipélago da Aland e Groenlândia. A Groenlândia é sua vizinha mais próxima (286 km de distância).

A Islândia é a décima oitava maior ilha do mundo e a segunda maior ilha da Europa (menor que a Grã Bretanha apenas). Aproximadamente 11% do país é coberto por glaciares

A capital, Reykjavík, possui aproximadamente 2/3 de toda a população do país, e somente 20% do território islandês é habitado. Trata-se de um dos países menos populosos do mundo, com pouco mais de 362 mil habitantes.

Fato curioso é que existem muito mais ovelhas do que pessoas na Islândia. São mais de 800 mil ovelhas islandesas, que ficam confinadas em razão do frio (por essa razão não vi nenhuma ovelhinha por lá).

O país está localizado na cordilheira Dorsal Meso Atlântica, que divide as placas tectônicas que separam a Europa da América do Norte. Como resultado, tem-se uma região com alta incidência sísmica (terremotos). 

É possível mergulhar (com roupa especial) na fenda entre essas placas tectônicas, que fica no Parque Nacional Thingvellir (patrimônio mundial da UNESCO localizado no sudoeste do país). Inclusive, nesse local foi fundado o primeiro parlamento do mundo, em 930 D.C. 

Além da alta incidência sísmica, a Islândia também é um país extremamente vulcânico (há 35 vulcões ativos). O ano de 2010 foi marcado pela erupção do vulcão glacial Evjafillajkull, que gerou o cancelamento de milhares de voos na Europa durante cinco dias, devido ao receio de que as cinzas vulcânicas espalhadas no ar estragassem os motores dos aviões.

Um dos benefícios da grande quantidade de vulcões, é o fornecimento de energia geotérmica. Mais de 90% das habitações na Islândia são aquecidas pelo calor geotérmico natural e há cerca de 800 fontes termais espalhadas pelo país.

Além disso, a água derretida criada por vulcões subglaciais fornece ao país fonte de energia hidrelétrica. Toda essa energia limpa, fez da Islândia um dos países menos poluídos do mundo.

Considerando que a água quente vem de fonte geotermal, é comum sentir cheiro de enxofre vindo da água. Isso é normal e a água é muito limpa, ainda que tenha um cheiro ruim.

O cheio de enxofre está apenas na água quente, pois a água fria vem de fonte hidrelétrica. Pode beber água da torneira sem se preocupar. 

No auge do verão os dias têm 24 horas de sol (a esse fenômeno se da o nome de sol da meia noite), enquanto no auge do inverno, apenas 4 horas, e é a época da aurora boreal.

Não é permitido comprar álcool em supermercados na Islândia. Bebidas alcoólicas só podem ser compradas nas lojas chamadas Vinbúðin, que pertencem ao governo. Em restaurantes você pode consumir bebida alcoólica normalmente.

Não existem mosquitos na Islândia, pois as mudanças no clima são tão rápidas, que os mosquitos não têm tempo para completar o ciclo de vida.

A Islândia publica mais livros per capita do que qualquer outro país. Presentear com livro é tradição no país.

A maioria da população acredita que existem “povos escondidos” que vivem no país, longe dos olhos dos humanos. São elfos, duentes, trolls, que determinam inclusive construções e edificações na Islândia.

Entrada da Blue Lagoon
Entrada da Blue Lagoon – essa parte é acessível a todos, pois fica fora do complexo

Organizando a viagem para Islândia

Moeda

A moeda na Islândia é a Coroa Islandesa (ISK). Dizem que trocar euro por ISK é meio chatinho, pois a troca deve ser feita no banco e há horários determinados.

Eu nem esquentei com isso (e a maioria dos turistas faz como eu): usei apenas cartão de crédito. 

Sim, você consegue pagar com cartão de crédito tudo! Até banheiro, quando pago, você pode pagar com cartão. 

Pelo que pesquisei, o único lugar que não dá (ou dava) pra pagar com cartão de crédito é ao utilizar os ônibus da cidade, sendo necessário pagar a quantia exata, pois não dão troco. Não usei ônibus e não sei até que ponto essa informação procede, mas resolvi constar aqui como um alerta, assim quem pretende usar ônibus já fica mais esperto.  

A conversão do ISK para euro é: 1 euro vale 150 ISK (sim, você vai ver muitos números e zeros quando se deparar com preços).

Idioma

islandês é derivado da língua nórdica antiga e, até hoje, é o idioma oficial. Todavia, a maioria da população fala inglês, principalmente pessoas jovens e nos locais turísticos, hotéis e restaurantes.

Se você se sente inseguro(a) em viajar para algum país por não sentir familiaridade com a língua, ter um celular com internet vai te ajudar.

Viajar com internet em tempo integral não é apenas um capricho, mas sim uma questão de necessidade.

Muita gente me pergunta se é tranquilo viajar para outro país ainda que você não fale a língua nativa ou pelo menos inglês. E para essa pergunta eu mantenho sempre a mesma resposta: não deixe de viajar porque você não fala outro idioma, mas não viaje sem internet no seu celular.

Pensando no conforto da minha viagem, na segurança de ter tudo ao meu alcance quando precisar, bem como no meu desejo em compartilhar todos os acontecimentos em tempo real com vocês, é que sempre utilizo em minhas viagens o chip de internet da SimPremium.

A SimPremium me envia o chip ainda no Brasil, recebo-o na minha casa e quando desembarco no destino final, já estou conectada. A empresa é parceria do blog MV e me acompanhou também na Islândia.

Nem preciso tecer mais elogios acerca da qualidade do produto, pois quem acompanhou minha viagem e todos os Stories que fiz no Instagram @maladeviagem viu o como a internet funciona bem!

Leitor do blog MV tem 10% na aquisição do chip de celular SimPremium ao utilizar o cupom “maladeviagem”. Clique aqui para pedir o seu!

Padrão das tomadas e voltagem

A voltagem na Islândia é 220 volts e as tomadas são do padrão europeu, com dois pinos redondos (adaptador em T já resolve o problema).

Na maioria dos países do continente europeu são usados os plugues e as tomadas tradicionais do tipo C e F, ambos com dois pinos redondos. 

Fuso horário

Para minorar os efeitos do jet lag (mudanças no fuso horário que provocam alterações no ritmo biológico), é importante, ainda no Brasil, ir aos poucos se adequando ao fuso do país de destino, e uma boa forma de fazer isso é dormir mais cedo ou mais tarde nos dias que antecedem a viagem para se acostumar com o fuso do destino. 

No caso dos dias que antecedem sua viagem para Islândia, tente dormir e acordar mais cedo. 

O horário da Islândia é UTC/GTM +0. Portanto, a diferença de fuso horário entre Brasil (considerando horário de Brasília) e Islândia é de 3 horas.

Documentos

Passaporte válido e seguro viagem obrigatório. Não precisa de visto nem de vacina contra febre amarela.

Leia também aqui no MV: Como emitir ou renovar seu passaporte

O passaporte, por óbvio, é sempre solicitado na alfândega, mas o seguro de saúde nunca me pediram para mostrar. O problema é que se você viajar sem ele e for o escolhido para mostrar (escolha por amostragem), provavelmente não ingressará no país.

O Tratado de Schengen é um acordo firmado entre 26 países europeus, que visa estabelecer a livre circulação dos visitantes nos países participantes. Esse Tratado também estabeleceu a obrigatoriedade da contratação de um seguro viagem no valor mínimo de € 30.000 euros para todos os turistas. O objetivo dessa regra é garantir que o visitante possa pagar as possíveis despesas médicas surgidas durante a viagem, inclusive em caso de óbito.

Os seguintes países participam do Tratado: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria Islândia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Polônia, Portugal, República Tcheca, Suécia, Suíça, Liechtenstein, Chipre.

Os únicos países europeus que não participam do Tratado atualmente são: Reino Unido, Irlanda, Croácia, Romênia e Bulgária.

No site Seguros Promo você pode fazer uma comparação detalhada e fácil dos preços dos seguros ofertados, analisando qual tem o melhor custo benefício para a sua viagem. Contrate AQUI o seu seguro viagem com desconto, utilizando o cupom MALADEVIAGEM5.

Passagens

O melhor jeito de chegar na Islândia é fazendo um procedimento com 2 voos distintos: primeiro compre um voo para alguma cidade europeia, a exemplo de Londres, Genebra, Paris ou Amsterdã. Depois compre um voo separado até a Islândia.

Isso é interessante fazer se você quiser gastar menos, pois a partir das cidades europeias você pode voar com uma companhia lowcost e pagar barato na passagem. Se você cotar um voo do Brasil para Islândia, fazendo somente conexão em outro destino da europa, provavelmente sairá mais caro.

Tem gente que voa a partir dos EUA e Canadá. Tudo dependerá das cotações na época da sua viagem.

Eu optei por voar até Londres e depois comprei um voo da EasyJet até a Islândia. Foi a opção mais em conta que encontrei para o período da minha viagem. 

Se você optar por fazer como eu, tenha em mente que companhias lowcost como a EasyJet apresentam preços atrativos, mas com serviços limitados. Se você for precisar despachar bagagem ou quiser reservar assento, precisa comprar separadamente.

Se optar por viajar apenas com bagagem de mão, fique atento que só é permitido 1 item: 1 bolsa ou 1 mochila ou 1 mala de bordo nas dimensões permitidas pela empresa. A fiscalização no embarque é rígida.

Meu custo com a EasyJet: de Londres para Keflavik (ida e volta) saiu 276 £ para 2 pessoas, incluindo 1 bagagem despachada e reserva de assentos na ida e na volta.

Cachoeira Sejjalandsfoss

Quando ir para Islândia

Esse é um destino que “decidir quando ir” muda completamente a experiência da sua viagem.

A Islândia é um país marcado por duas estações bem definidas: verão e inverno.

verão coincide com a alta temporada. É o período do sol da meia noite, da temporada de baleias, vegetação verde e pássaros migratórios.

frio é o período de baixa temporada. É a época da aurora boreal, de ver o país todo branquinho, coberto de neve, cachoeiras congeladas e icebergs.

Essa diferença faz com que muitos digam que a Islândia é um país para ser visitado duas vezes: uma vez durante os meses de verão e outra no inverno, pois o país se transforma.

Embora seja um país nórdico, por conta da Corrente do Golfo (que passa por ali), as temperaturas, mesmo no inverno, não são tão baixas como muita gente imagina. A média no inverno é de 0° a -5° (podendo chegar até -15° de madrugada).

Por outro lado, em razão dos ventos intensos, a sensação térmica é consideravelmente menor. 

O clima muda várias vezes no mesmo dia. Tenha isso em mente na hora que estiver programando sua viagem: a Islândia não é um país para conhecer com roteiro milimetricamente calculado e cronometrado. Faça uma prévia, mas aceite que mudanças ocorrerão em razão das condições climáticas imprevisíveis.

O interessante é deixar um ou dois dias extras no roteiro, principalmente se sua viagem for durante o inverno.

Islândia no inverno

Islândia no verão

Os meses mais movimentados na Islândia são os meses de julho e agosto, pois, além de ser verão, com termômetros marcando em média 12°, esse é o período de férias na Europa.

Vantagens: clima propício para caminhadas e atividades ao ar livre, dias longos em virtude do sol da meia noite (a viagem “dura mais”), possibilidade de observar as aves migratórias e as baleias, bem como possibilidade de dirigir pelas highlands (ficam fechadas durante inverno).

Desvantagens: preços mais altos e mais turistas.

Islândia no inverno

A partir de outubro começa o inverno. O fluxo de turistas diminui e é dada largara à temporada de caça à aurora boreal, que aparece principalmente a partir do final do mês.

Nessa época os dias ficam mais curtos e frios. As paisagens ainda não estão cobertas de neve, mas sim com uma névoa, que “queima” a vegetação, deixando-a com tonalidade amarelada. Ainda é possível fazer um passeio de barco para observar as baleias.

Outubro é um bom mês para quem quer pegar um mix entre as duas estações. A época de aurora está começando, e pode ser que no dia da sua viagem ainda não haja muita probabilidade de vê-la.

Para quem quer ver uma Islândia nevada, a dica é ir entre os meses de novembro a março. As paisagens estão surpreendentemente encantadoras, mas os dias estão mais curtos, o que faz com que a viagem “dure menos”. O ideal é deixar uns dias extras no roteiro, não programar tudo com muito rigor e correr o risco de se frustar porque não conseguiu fazer tudo que tinha programado.

Vantagens: paisagens cobertas de neves, caçada à aurora boreal, cavernas de gelo, cachoeiras congeladas, baixa temporada, país com menos turistas, preços melhores.

Desvantagens: dias mais curtos e tempo instável. Em razão da neve, ventos e condições climáticas desfavoráveis, as estradas costumam fechar com mais frequência, por isso é importante ter um roteiro flexível.

Roupas que não podem faltar na mala:

  • Gorro, luvas e cachecol
  • roupas térmicas (eu uso baselayer + fleece antes do casaco e da calça)
  • Casaco impermeável (indico os da Columbia ou The North Face)
  • Calças maleáveis ou próprias para neve (que são impermeáveis)
  • Bota de neve (indico Timberland, Columbia ou The North Face)
  • Gancho de neve para bota (não usei, mas é recomendado)
  • Meias de cano alto (para aquecer e não deixar a bota machucar)

Islândia em meses intermediários

Os meses intermediários são os meses de maio e setembro. É um bom período para quem quer dias mais longos, lugares mais vazios (menos turistas), aproveitar para ver o retorno dos pássaros migratórios e a temporada de baleias. 

São meses ideais para quem quer um clima menos instável (embora na Islândia o tempo não seja algo com o que podemos contar) e não faz questão de neve ou aurora boreal.

Quero ver aurora boreal, como faz?

Ver ou não aurora boreal na Islândia é “brincar com probabilidades”: você organiza e programa tudo certinho… Depois conta com a sorte.

A boa notícia é que se você viajar em época de aurora, a chance de ver é boa. Dentre as pessoas que visitaram a Islândia em período de aurora, fiquei sabendo de mais gente que conseguiu ver o fenômeno do que gente que não conseguiu ver. Isso anima!

Eu consegui ver 1 noite. Teria a possibilidade de ter visto mais vezes, mas teria que estar no lugar certo e no momento certo. Vou explicar melhor como funciona.

A aurora boreal é um fenômeno que ocorre a partir de uma explosão solar que libera partículas energizadas que, ao entrar em contato com o campo magnético da Terra, é parcialmente canalizada em direção aos polos magnéticos. 

Quando as partículas entram em contato com os gases atmosféricos, adquire cor: a coloração verde vem a partir do contato com o oxigênio, a azul com o hidrogênio e a vermelha com o nitrogênio

Os meses mais propícios para ver aurora boreal na Islândia são entre outubro a março, embora seja possível (embora mais difícil) ver aurora fora dessa época. 

Um dos fatores que influenciam a visibilidade da aurora boreal é o índice KP, uma medida que indica a intensidade do fluxo solar e suas perturbações na alta atmosfera terrestre em uma escala de 1 a 9.

Assim, é errado dizer que não teve aurora boreal só porque você não a viu. O que acontece é que, muitas vezes, ela está lá no céu, mas se as condições não estiverem boas, você não enxerga. A exemplo disso: uma nuvem pode esconder e acabar com sua visibilidade.

Além do KP, é importante estar num local escuro, longe de luminosidade das cidades e contar com um céu sem nuvens. As fases da lua também influenciam na probabilidade de ver aurora boreal, isso porque se a lua está muito radiante e iluminando muito o céu, pode não se ter a escuridão necessária para ver a aurora (dependendo de sua intensidade).

Já adianto que a Islândia não é o melhor país para caçar aurora. Quem já viu o fenômeno em outros países nórdicos, a exemplo da Noruega, pode ficar frustado, pois na Islândia a tendência é que ela apareça mais fraca. Claro que isso não é uma verdade absoluta e que quem manda é a natureza. Só estou repassando uma informação relacionada à probabilidade.

Como eu nunca tinha tido a experiência na vida, a aurora que vi na Islândia foi perfeita! Fiquei encantada. 

Os aplicativos My Aurora Forecast, Aurora Forecast e Northern Lights Forecast & Auroras informam a probabilidade de ver aurora a cada dia. 

Ao chegar no seu hotel, pergunte sobre o serviço Northern Lights – Wake Up Call. Se estiver disponível, você deixa seu nome e a recepção liga para o seu quarto ou bate na sua porta se a aurora estiver visível.

Foi justamente assim que conseguimos ver, com o serviço Northern Lights – Wake Up Call de um dos hotéis por onde passamos. Por isso é interessante reservar hotéis que fiquem afastados das cidades, visto que aumentará sua probabilidade de ver o fenômeno sem nenhum trabalho (só saindo na frente do hotel e olhando para o céu). 

Aurora Boreal na Islândia

E os tours de caçada à aurora boreal?

Já começo dizendo que é algo que vale a pena fazer se você quer aumentar suas chances de ver as Northern Lights.

Nossas experiências de olhar os aplicativos de aurora, pegar o carro e sair em busca do fenômeno não deram nada certo… No início nem sabíamos ao certo para onde olhar. Experiência zero, fez com que as tentativas fossem frustradas. 

Tínhamos um tour de caçada à aurora com a empresa Bus Travel no penúltimo dia da viagem. 

Tivemos que fazer uma alteração no roteiro por conta dos ventos fortes e estradas fechadas e não conseguimos manter o tour agendado. Para complicar, o único dia que, na nova programação, teríamos disponível para a caçada, o tempo estava ruim e não saiu grupo naquele dia. 

Mesmo que não tenhamos feito o tour de caçada, acho que é algo que vale a pena investir, pois a empresas entendem, são experientes no assunto e sabem onde ir para ter maior probabilidade de ver a aurora.

Por sorte conseguimos vê-la num dos dias da viagem, pois estávamos no hotel Fosshotel Nupar, que fica na estrada (afastado das luzes da cidade) e tem serviço de Northern Lights – Wake Up Call.

Aurora Boreal na Islândia

Como se locomover pela Islândia

Existem basicamente duas formas de viajar pelo país:

A primeira delas é alugar um carro e dirigir pela Road 1 (R1), a rodovia principal do país, e ir parando nos pontos de interesse. Foi a forma como eu fiz e é uma delícia viajar assim.

A segunda forma é contratar os passeios com as empresas de turismo, a exemplo da Bus Travel. Essa é a opção indicada para quem não gosta de dirigir ou não quer alugar um carro.

A primeira opção (alugar carro) vai deixar sua viagem mais barata e mais livre. Se eu voltar para a Islândia no verão, penso em repetir o estilo de viagem. 

Valores: alugamos carro Sixt e tivemos as seguintes despesas:

  • Preço do carro 4×4 – 8 diárias: 317 euros
  • Seguros extras e taxinhas nos pneus: 130 euros (optamos por colocar seguros extras em razão das condições extremas do país e riscos extras)
  • Combustível: utilizamos 4 tanques de diesel, que custou, em média, 65 euros ou entre R$ 300 a 350,00 cada tanque.

Tivemos perrengues pelo caminho, incluindo um limpador de parabrisa que não funcionou na chuva, mas fomos até uma oficina no dia seguinte e rapidamente foi resolvido. 

Dica: teste tudo do carro antes de sair com ele da locadora.

Viajar de carro pela Islândia foi uma experiência maravilhosa (e uma grande aventura também). Apesar da chuva, neve, vento intenso, estradas escorregadias, dirigindo com cautela e velocidade reduzida, tudo correu muito bem. Não tínhamos experiência em estradas em condições perigosas, mas nos saímos muito bem e adoramos a viagem.

Além disso, viajar de carro te dá a liberdade de fazer o roteiro do seu jeito, no seu tempo, parando quando tiver vontade e dormindo cada dia num lugar diferentes.

Na hora de alugar o carro, prefira os modelos 4×4 (principalmente se for inverno) e itens de segurança que te garantam uma viagem mais confortável, como taxinhas para pneu (ajuda a não deslizar tanto na neve e pista com gelo).

Por razão das mudanças repentinas no tempo, o site www.vegagerdin.is monitora as condições da estrada. Numa viagem durante o inverno, você precisará acessar esse site várias vezes durante o dia, pois ele atualiza as condições da via, classificando-as em cores conforme a facilidade/dificuldade de direção. O site também informa se alguma estrada está fechada.

Dirigimos por trechos em várias condições diferentes e precisamos alterar o roteiro duas vezes durante os 8 dias de viagem.

A primeira alteração aconteceu no segundo dia, quando não conseguimos concluir todos os pontos programados. A estrada não chegou a fechar, mas como estávamos com o problema do limpador de para-brisas, não sentimos segurança em avançar até a montanha Kirkjufell (no oeste do país) e finalizamos o roteiro do dia na península de Snæfellsnes.

A segunda alteração aconteceu no meio da viagem, dessa vez em razão de estradas fechadas que não nos permitiram avançar. Nossa única alternativa foi inverter o roteiro, conhecendo a capital Reykjavik antes do previsto. No final deu tudo certo e foi possível concluir o roteiro com sucesso.

Quantos dias ficar na Islândia?

O tanto de dias da sua viagem vai determinar qual roteiro escolher.

Se tiver 10 dias ou mais, vale muito a pena fazer toda a Ring Road, que possui 1332 quilômetros.

Com menos do que isso, considere fazer os pontos turísticos do oeste e sul do país. 

A época da sua viagem também determina quantos dias será necessário para percorrer a Ring Road, visto que no inverno existe a possibilidade das estradas fecharem por conta do tempo.

Outra coisa a se considerar é a velocidade da viagem: é possível fazer a volta toda em 8 dias (conheço quem fez), mas a viagem fica bem corrida e será necessário percorrer muitos quilômetros num só dia. A análise do que vale mais, fica a cargo de cada viajante. 

Com 8 dias completos no país e considerando se tratar de uma viagem de inverno, decidi conhecer oeste e sul da Islândia. O resultado foi bom, pois nessas regiões se concentram a maior parte dos pontos turísticos que eu desejava conhecer. Foi ótimo!

Uma observação final sobre a pertinência de alugar um carro e percorrer o país, é a facilidade de acesso aos pontos de interesse: a maioria deles fica praticamente ao lado da estrada e não precisa de acompanhamento de guia. Para completar, as atrações são gratuitas em sua maioria, então alugar carro torna a viagem mais econômica também.

Como montar um roteiro pela Islândia

O roteiro vai depender da duração da viagem e período da visita. Definindo isso, já pode começar a montar seu roteiro. 

Se deseja fazer a volta completa pela ilha, percorrendo toda a Ring Road, tenha pelo menos 10 dias. Todavia, se for inverno, melhor reservar 12 dias, assim se pegar tempestades fortes pelo caminho, pode parar sem se preocupar com o dia a dia cronometrado. 

Minha viagem teve 8 dias de duração, então descartei a ideia de fazer toda a Ring Road, principalmente por ser inverno. 

Pesquise todos os pontos turísticos que deseja conhecer e marque-os no mapa, calculando a distância entre eles e fazendo uma previsão do quanto pode ser percorrido em um dia. Não abuse nas distâncias e leve em consideração a duração do dia (se for inverno). A partir do final de fevereiro os dias já estão mais longos (escurece a partir das 18:30).

Se quiser reservar os hotéis com antecedência, prefira reservas reembolsáveis, pois se acontecer algum imprevisto durante a viagem, você não perde o valor integral. 

Outra dica interessante é fazer a reserva apenas dos hotéis principais, aqueles que você faz questão de se hospedar. Hotéis secundários podem ser reservados durante a viagem. Mas atenção: só arrisque fazer isso se estiver viajando na baixa temporada, caso contrário você correrá o risco de ficar sem reserva. 

Eu optei por reservar os primeiros hotéis e deixar os três últimos dias sem reserva, pois, assim não fiquei com um roteiro tão fechado, podendo fazer adaptações nos últimos dias. Isso foi fundamental, pois precisei fazer algumas alterações de “última hora”. Road trip nos permite essas escolhas maleáveis. 

É imprescindível ter internet no celular, pois, diante de qualquer imprevisto, você tem como resolver. Com Waze ou Google Maps, tudo fica simples e tem sinal de internet 4G por todo lado.

Cachoeira Gullfoss no Golden Circle – Islândia

Como escolher e reservar os hotéis

Depois que tiver uma prévia do que fará a cada dia da viagem, fica mais fácil encontrar as opções de hotéis por perto. 

Na região sul há bastante opções, então a tarefa é simples. A região norte é mais vazia, com menos cidades/vilarejos, sendo assim, se seu roteiro incluir atrações ao norte, pelo menos em relação a essa etapa da viagem, é interessante sair do Brasil com os hotéis reservados (prefira aqueles com possibilidade de reembolso, pois se houver algum imprevisto, será possível cancelar sem prejuízos). 

Quando finalizei meu roteiro, coloquei os pontos turísticos no mapa e busquei no booking.com os hotéis nas proximidades. Optei por não incluir muitas atividades ou grandes distâncias no mesmo dia, pois assim consegui evitar o risco de não cumprir com as programações do dia. 

Há ainda a opção de reservar Airbnb e conseguir preços mais atrativos do que os preços dos hotéis.

Airbnb conecta hóspedes e anfitriões. É o site ideal para quem quer viajar o mundo e, ao mesmo tempo, sentir-se em casa. Reserve pelo nosso link e garanta até R$ 179,00 de desconto na sua primeira reserva.

Roteiro dia a dia

Como eu disse, precisei fazer algumas alterações na ordem do roteiro em decorrência do tempo e condições das estradas.

Se sua vigem for durante os meses de inverno, bastante provável que adaptações precisem ser feitas também.

Porém, em que pese essa consideração, vou compartilhar meu roteiro dia a dia, como foi pensado, pois está em uma ordem que considero ideal para uma viagem de 8 dias de carro pela Islândia

Fique sempre de olho em dois sites (consultava eles várias vezes ao dia):

  • Para conferir clima: https://en.vedur.is/
  • Para condições das estradas: http://www.road.is/travel-info/road-conditions-and-weather/entire-iceland-road-conditions-map/

DIA 1

Chegada no aeroporto às 11 horas da manhã.

O aeroporto internacional de Keflavik é a principal porta de entrada da Islândia e fica há cerca de 50 Km de Reykjavik, a capital da Islândia, e a 21 Km da Blue Lagoon, um dos principais atrativos turísticos do país.

Ir para a Blue Lagoon direto do aeroporto (tanto na ida quanto na volta) é bastante comum, e quem opta por não alugar carro, pode contratar um serviço de shuttle que leva as pessoas do aeroporto ao complexo (no próprio site da Blue Lagoon você também consegue fazer a reserva desse serviço). 

A primeira coisa que fiz ao desembarcar foi me dirigir a locadora para pegar o carro. Esse procedimento levou cerca de 1 hora e meia.

Já com o carro, o primeiro destino foi a Blue Lagoon, para a qual comprei entradas com antecedência (1 mês antes da viagem) e paguei 86 euros por pessoa (comprei a modalidade Comfort).

A Blue Lagoon foi construída artificialmente, é um spa a céu aberto e fica perto do aeroporto internacional de Keyflavik – são cerca de 20 minutos de carro.

Por conta da forte atividade geotérmica, a lagoa é aquecida naturalmente e riquíssima em minerais. Suas águas são trocadas a cada 48 horas e a temperatura fica em torno de 38 graus (é uma delícia).

Nem passar frio para entrar na água você vai, pois é possível entrar na água ainda num ambiente fechado e, só então, passar por uma porta de vidro que dá acesso à lagoa.

Além da piscina, o complexo da Blue Lagoon possui uma caverna de vapor, sauna, spa, restaurantes e hotéis. O The Retreat at Blue Lagoon Iceland é um hotel de luxo maravilhoso.

Recomendações ao visitar a Blue Lagoon:

  • Levar chinelo (o ingresso na modalidade Comfort oferece toalha, mas não dá direito a chinelo e roupão).
  • Uso da pulseira: na chegada você receberá uma pulseira, que é a chave do seu armário do vestiário. A pulseira também funciona como um cartão de crédito, e você pode usá-la para registrar suas despesas na área do spa. 
  • A água da Blue Laggon tem altos níveis de sílica. Embora não seja prejudicial aos cabelos, a sílica os deixa duro e embaraçado. Se desejar molhar o cabelo na lagoa, é recomendado aplicar condicionador antes de entrar. O condicionador é fornecido na área do chuveiro.
  • Acesso de crianças: o limite mínimo de idade é 2 anos. Crianças de 2 a 13 anos têm acesso gratuito. Crianças de 2 a 8 anos devem usar boia ​​(fornecida gratuitamente). 
  • É importante reservar com antecedência, pois funciona com horário marcado e os ingressos acabam. Fui na baixa temporada (final de fevereiro) e comprei no começo do mês.

Quanto custa?

Há três pacotes disponíveis: o básico, chamado Comfort, que custa a partir de 86 Euros, incluindo toalha e máscara de sílica; o Premium e o Retreat Spa.

O Premium inclui também chinelo, roupão, uma máscara adicional de argila, reserva no restaurante e uma taça de espumante. O valor por esses serviços adicionais, na minha opinião, não compensa. Indico o Comfort.

Blue Lagoon – Islândia

Passadinha em Reykjavik para comer:

Após sair da Blue Lagoon, fomos até a capital Reykjavik para comer. Escolhemos o restaurante Apotek, que serve menu degustação com pratos típicos islandeses. Aprovei o restaurante e deixo como indicação.

Valor médio do menu degustação + 1 taça de vinho no restaurante Apotek: R$ 450,00 por pessoa.

Depois seguimos para dormir no B59 Hotel (na cidade de Borgarnes), que tem um ótimo custo benefício – hotel muito bom, com preço atrativo, incluindo café da manhã, wi-fi e estacionamento grátis.

DIA 2

Reservei o dia 2 para fazer passeios no oeste do país.

Oeste da Islândia

A primeira parada foi na península de Snæfellsnes, onde percorremos os penhascos da vila de pescadores Arnarstapi, onde há uma grande escultura de pedra de um homem com um capacete Viking – o Bárður Snæfellsás, que protege Península de Snæfellsnes.

Bárður Snæfellsás – protetor da península

Snæfellsnes é uma península no oeste do Borgarfjörður (oeste da Islândia). A região é conhecida como “Islândia em miniatura”, pois reune uma combinação das mais diversas paisagens islandesas, incluindo o vulcão Snæfellsjökull, reconhecido como um dos símbolos da Islândia e ficou mais famoso após aparecer no filme “Viagem ao Centro da Terra” (“Journey to the Center of the Earth”).

O próximo ponto de interesse é a montanha Kirkjufell, um dos símbolos da Islândia e que ficou ainda mais famosa após aparecer em Game Of Thrones. 

Rumo ao oeste, a mais ou menos 50 minutos de viagem de Kirkjufell, está Londrangar e suas falésias pretas em contraste com o Oceano Atlântico.

O próximo destino foram as cachoeiras Hraunfossar e Barnafossar. São lindas e ficam uma do lado da outra. Tem um estacionamento (gratuito) e as cachoeiras ficam próximas, a poucos metros de distância (entrada gratuita). 

Barnafossar

O ponto final desse dia foram as fontes termais de Deildartunguhver, que ficam no caminho de volta. No local existe um spa/restaurante chamado Krauma e eu achei muito legal. Infelizmente já era tarde, estávamos sem reservas e não ficamos, mas adoraria ter conhecido. 

Voltamos para dormir mais uma noite no B59 Hotel (na cidade de Borgarnes).

Ps. Nesse dia, fizemos algumas paradas na estrada para ver os cavalinhos islandeses (existem muitos e ficam próximos às estradas). Eles são dóceis e se aproximam rapidamente com a chegada do turista próximo à cerca. 

Também passamos no supermercado Bónus para comprar comida e deixar no carro para quando tivéssemos fome e sem restaurantes por perto. Não precisa ficar com receio de algo estragar porque a temperatura média fica em torno de 0 graus no carro.

DIA 3

O dia 3 foi destinado a visitar o Golden Circle, o passeio mais tradicional da Islândia.

Golden Circle inclui vários pontos turísticos diferentes, e ficam próximos uns aos outros, portanto, é possível fazer toda essa parte da viagem no mesmo dia.

A ordem dos atrativos a visitar, vai depender de onde você está hospedado e onde se hospedará no dia seguinte. Não era exatamente essa a minha ordem, mas fiz adaptação em razão das condições das estradas. Apesar de inverter a ordem inicialmente prevista, conclui tudo o que estava programado para esse dia.

O primeiro destino foi a Cratera Kerid (Kerið), uma cratera vulcânica de 55 metros de profundidade com cerca de três mil anos. Existe uma lagoa com água esverdeada no meio, mas no inverno estava coberta de gelo e neve. Algumas pessoas desciam e iam lá no meio para tirar foto (eu preferi não ir porque não pesquisei sobre a segurança de pisar ali).

A visita à cratera Kerid é um dos únicos passeios pagos na Islândia. A entrada é de 400 ISK por pessoa (cerca de R$ 15,00) e o estacionamento é gratuito.

Cratera Kerid (Kerið)

O segundo atrativo foi o Geysir Hot Springs Area – Haukadalur, um local com vários gêiseres, mas só um deles ainda ativo, chamado Strokkur, que explode a cada 5-7 minutos e os jatos chegam a 30 metros de altura.

Um gêiser é uma manifestação vulcânica. O lençol freático é aquecido pelo calor das rochas e do magma, a água atinge altas temperaturas e entra em ebulição, a pressão fica extremamente alta e a água “explode”.

O curioso é que embora não “exploda” mais (não está mais ativo), o gêiser que deu o nome gêiser a todos os outros gêiser do mundo (sim, esse gêiser se chama Gêiser, ou Geysir, em islandês) fica nesse local.

Geysir Hot Springs Area – Haukadalur

O terceiro ponto turístico foi a lindíssima cachoeira Gullfoss, que fica a 10 km de distância do parque geotermal Haukadalur e a 50 km do Thingvellir National Park. 

Gullfoss (Golden Waterfall) ou cachoeira de ouro, é a maior cachoeira da Europa em volume de água. Tem uma queda d’água de 32 metros de altura e, na minha opinião, é a cachoeira mais linda do meu roteiro.

Trata-se de uma das cachoeira do Rio Hvítá (Rio Branco), alimentado pelo glaciar Langjökull (o segundo maior glaciar da Islândia).

No século XIX a cachoeira quase foi transformada em uma usina hidrelétrica. Porém, depois de muita luta de uma mulher chamada Sigríður Tómasdóttir (filha do proprietário das terras onde está a cachoeira), felizmente o projeto não foi adiante.

O local tem um centro de visitantes com estacionamento, banheiro, lojinha de souvenirs e restaurante. O acesso à cachoeira e o estacionamento são gratuitos.

Gullfoss (Golden Waterfall)

O quarto e último ponto turístico do dia foi a principal atração do Golden Circle: o Thingvellir National Park – (Þingvellir), fundado em 1930 e patrimônio mundial da UNESCO desde 2004.

Ali estão as ruínas do parlamento mais antigo do mundo: o parlamento islandês se estabeleceu em Thingvellir no ano de 930, permanecendo até o ano de 1798.

Thingvellir National Park – (Þingvellir)

Em decorrência da sua importância histórica para os islandeses, o local foi escolhido para celebrar a cerimônia de independência do país em 1944 (até então a Islândia era colônia da Dinamarca).

No parque Thingvellir também está situada a primeira igreja cristã do país, que até então era historicamente era pagão.

É também no Thingvellir que há o encontro de duas placas tectônicas: a placa Eurásia e a Norte Americana. Entre elas é possível ver as fissuras preenchidas por água, sendo possível fazer mergulho profissional ou snorkeling na fissura/fenda chamada Silfra (gerada por um terremoto em 1789).

Essa fenda recebe água de degelo do glaciar Langjökull e ali temos a possibilidade de fazer snorkeling em uma das águas mais cristalinas do planeta, o que possibilita extrema visibilidade (permite mais de 100 metros de visibilidade).

Para fazer o snorkeling, o turista veste uma roupa especial que protege o corpo da água gelada (2 graus).

Chegamos no parque já no final do dia, então ele estava muito vazio. Foi fácil percorrê-lo e para conhecer Silfra, trocamos o carro de estacionamento, assim não correria o risco de escurecer antes de finalizarmos a visita.

Silfra

No parque há mais de um estacionamento (custa cerca de R$ 26,00 e o pagamento é feito na máquina) e você pode optar em deixar o carro apenas em um local e conhecer o parque todo caminhando, ou então trocar de estacionamento (não precisa pagar novamente) para ficar mais perto dos próximos pontos de interesse.

O parque não é tão grande, então da pra percorrê-lo a pé numa boa.

Após finalizar o passeio, dirigirmos até Breiðamörk (perto da cidade de Selfoss) para dormir na Skyr Guesthouse. Reservei uma suíte com banheiro privativo e banheira. Adorei a acomodação.

Nesse dia jantamos ali mesmo na Skyr Guesthouse, que tem um restaurante bem gostoso e aconchegante.

Restaurante da Skyr Guesthouse, em Breiðamörk

DIA 4

No quarto dia fomos até a Secret Lagoon, uma lagoa de águas termais naturais, localizada em uma pequena cidade chamada Fludir, ainda na área do Golden Circle. 

O acesso à Secret Lagoon é pago: 3.000 ISK por pessoa + aluguel da toalha (caso você não leve uma).

A água permanece entre 38 a 40 graus durante todo o ano. Enquanto fazia bastante frio lá fora, dentro da água a temperatura estava excelente (até tinha alguns momentos que eu sentia calor).

Se você for escolher apenas uma lagoa termal, indico a Blue Lagoon, que tem estrutura melhor e é bem maior.

Nesse dia trocamos o “almoço no carro” com compras do mercado por um almoço delicioso na Fazenda de Tomates Fridheimar, que se trata da segunda maior produção de tomates da Islândia.

O almoço tem início com uma visita à parte da estufa onde estão os tomates, e explicação sobre o processo produtivo, depois fomos convidados a sentar para o almoço, com direito a drinque de boas vindas.

Fazenda de tomate Fridheimar

O restaurante é belíssimo e tudo é feito de tomate: entradas, pratos principais, bebidas e até sobremesas. Optei pela tradicional sopa de tomate e estava deliciosa. A sobremesa foi a cheesecake, que também tem tomate como ingrediente – simplesmente fantástica.

Recomendo demais essa experiência, uma das melhores que já tive em se tratando de restaurantes. Enquanto lá fora nevava fortemente, dentro da estufa aquele clima aconchegante e comida quentinha! É necessário fazer reserva prévia para o almoço, pois a procura é grande.

O próximo ponto a ser visitado no dia foram as cachoeiras de Sejjalandsfoss (ou Seljalandsfoss) e Gljúfrafoss. A visita às cachoeiras é gratuita, mas o estacionamento é pago (custa cerca de R$ 26,00 e o pagamento é feito na máquina).

Seljalandsfoss é uma cachoeira com 60 metros de queda, além de uma trilha que passa pela parte de trás da cachoeira. No inverno, devido ao acúmulo de neve e gelo, esse caminho estava fechado. 

Ao chegar mais perto da cachoeira você já percebe que molha bastante, então se for possível fazer a trilha no dia da sua visits, certifique-se de ir com roupa impermeável.

Pertinho da primeira está uma segunda cachoeira chamada Gljúfrafoss. O carro ficou no primeiro estacionamento e fomos caminhando. Em razão da neve/gelo, a trilha estava um pouco escorregadia e vi muitas pessoas usando aqueles ganchinhos nas botas, que auxilia no atrito e ajuda a não escorregar. Eu estava apenas com bota de neve e deslizei algumas vezes pelo caminho, sem chegar a cair. 

A Gljúfrafoss é formada dentro de uma caverna escavada pela própria cachoeira. É possível caminhar sobre as pedras e entrar na caverna, mas, caso não queira, indo até a entradinha da caverna, você já tem uma boa visão também. Novamente é importante ir com roupa e calçado impermeáveis, pois molha um pouco.

Nessa noite dormimos no melhor hotel da viagem: o Hotel Rangá (fica em Hella, próximo às cachoeiras Seljalandsfoss e Gljúfrafoss), que tem selo Small Luxury Hotels of the World. 

Além de possuir um observatório de estrelas, o Rangá é um hotel de luxo localizado no meio da estrada, longe das luzes da cidade, o que o torna um excelente local para ver aurora boreal se as condições estiverem propícias. Há serviço de despertador para o momento em que a aurora boreal aparecer, o que torna a experiência do hóspede ainda melhor e mais confortável

O hotel fica ao lado do rio Rangá salmon, proporcionando aos hóspedes uma vista linda e paradisíaca.

Os quartos são amplos, aconchegantes e o nosso tinha vista para o rio. O banheiro conta com chão aquecido e ducha com diversas regulagens – uma delícia!

Hotel Rangá

Dentre as comodidades, estão banheiras de hidromassagem ao ar livre (bathtub), Wi-Fi gratuito, sala de jogos, sala de leitura, observatório de estrelas e restaurante.

Banheira de hidromassagem ao ar livre – Hotel Rangá

Para essa noite tínhamos uma reserva no restaurante Rangá, alta gastronomia, pratos da culinária local e muito saborosos. O restaurante abre também para não-hóspedes e exige reserva.

Na manhã seguinte também tivemos a oportunidade de desfrutar do excelente café da manhã, com vistas do rio e do vulcão Eyjafjallajökull.

Tanto nas refeições do jantar quanto no café da manhã, o restaurante utiliza produtos orgânicos frescos. O café da manhã possui opções a la carte, além de um buffet variado.

Por todas essas razões, indico o Hotel Rangá para quem quer adicionar mais de luxo à viagem, melhorando ainda mais a experiência da viagem!

Dia 5

No dia 5 começamos o roteiro rumo a Skogafoss, uma das cachoeiras de destaque da Islândia, com estacionamento e entrada gratuitos.

A cachoeira Skogafoss possui 15 metros de largura e 60 metros de altura. Não bastasse sua beleza, ainda é frequente aparecer um arco íris na sua base.

Skogafoss

Ao lado da cachoeira tem uma escadaria que dá acesso ao seu topo, sendo possível observá-la do alto. Mesmo no inverno a escada estava com acesso liberado. É uma parte do passeio que exige um pouco mais de esforço, mas achei que vale muito a pena.

Seguindo viagem, passamos pelo vulcão Eyjafjallajökull, que apareceu no filme “A Vida Secreta de Walter Mitty” e ficou mundialmente conhecido após última erupção em março de 2010.

Paramos o carro do lado oposto da estrada, onde era o antigo centro de informações. Ficamos ali alguns minutos observando aquela imensidão da natureza e imaginando como foi quando ele entrou em erupção.

Vulcão Eyjafjallajökull

O próximo ponto de parada foi no estacionamento (gratuito) que dá acesso aos destroços do avião Dakota – DC3 Plane Wreck, que estão na praia de Sóllhemasandur.

O avião Dakota, um C-47 SkyTrain, da Marinha Norte Americana fez um pouso forçado na Praia de Sóllhemasandur no ano de 1973. Os 7 passageiros da expedição sobreviveram. Como ficaria muito caro remover o avião, o Dakota ficou ali e hoje se tornou um ponto turístico da Islândia.

Para chegar ao Dakota, é necessário deixar o carro no estacionamento que dá acesso à estradinha que leva ao avião.

Existem duas opções: ir a pé ou pagar um ônibus que para perto do avião. O ônibus custa 2.500 ISK por pessoa (aproximadamente R$ 90,00).

Nesse dia estava ventando absurdamente, então descartei a hipótese de ir caminhando. Porém, num dia com condições melhores, fica como opção (ida e volta deve dar algo em torno de 3 km).

Não quero te desencorajar a ir, mas registro que minha experiência com esse passeio não foi boa. Estava muito frio e muito vento, para ajudar, o ônibus atrasou 20 minutos do horário combinado para nos buscar. Não tem nenhuma cobertura ou proteção, então ficamos ali no relento esperando (não teria problemas se não fosse o tempo hostil naquele momento).

Seguimos até a Península de Dyrhólaey, onde está o Mirante do Arco de Dyrhólaey, e mais adiante na parada junto ao farol, com vista para a Kirkjufjara Beach, uma praia de areias negras. 

No local há um banheiro pago – 200 ISK, com possibilidade de passar cartão.

O estacionamento ali é gratuito, bem como a visita ao local.

Península de Dyrhólaey

O próximo destino foi Reynisfjara Beach, a praia de areia preta mais famosa da Islândia, conhecida por suas formações rochosas chamadas Reynisdrangar, que são formações de basalto que constituem um imenso paredão, além da caverna Hálsanefshellir.

A Praia Reynisfjara e a caverna Hálsanefshellir aparecem em vários filmes de Hollywood e seriados, como Star Wars, Game of Thrones, A vida secreta de Walter Mitty e Thor.

Dessa praia é possível ver três rochas emblemáticas no meio do mar (embora, em razão do ângulo, pareçam ser apenas duas). Diz a lenda islandesa que as rochas se tratam dos Trolls Skessudrangar, Landdrangar e Langhamrar, que foram transformados em pedra.

O último marco do roteiro foi Vik, um vilarejo pequeno, mas muito charmoso. 

Vik é o local escolhido por muitos turistas para passar uma noite, pois tem uma estru tura boa, com hotéis, posto de gasolina e supermercado.

Recomendo subir até a igrejinha fotogênica no alto da colina para ter uma vista da cidade e da praia ao fundo. De lá de cima você verá novamente aquelas três rochas que viu na praia de Reynisfjara (os Trolls Skessudrangar, Landdrangar e Langhamrar).

Vik

O hotel reservado para essa noite foi o Hotel Vík í Mýrdal. Não conseguimos dormir lá em razão daquela alteração que precisei fazer em razão das estradas fechadas… Mas seria a minha opção inicial. O hotel me pareceu ser muito bom. 

Dia 6

O primeiro lugar do roteiro do dia 6 foi o Canyon FJdrárgljúfur – um canyon muito lindo e profundo. 

São aproximadamente 2 Km de canyons, com um paredão de 100 metros de altura recortado pelo rio Skaftá.

O Canyon FJdrárgljúfur ficou mundialmente conhecido como “Bieber Canyon”:

Em 2015 Justin Bieber gravou o clipe de I’ll Show You no Canyon Fjadrárgljúfur. Por conta da fama, o local passou a receber milhares de pessoas desde o lançamento do vídeo. O aumento de turistas causou danos ao ambiente e a The Associated Press – Agência do Meio Ambiente da Islândia – reportou que essas visitas deixaram danos na vegetação.

O canyon fechou por um tempo, mas agora já está aberto ao público novamente. O acesso e estacionamento são gratuitos.

Canyon FJdrárgljúfur

A próxima parada foi bem rapidinha: paramos o carro para ver as formações rochosas de Dverghamrar – colunas hexagonais de basalto parecidas com as que vimos depois na cachoeira Svartifoss.

Na sequência fomos ao Skaftafell National Park (maior parque nacional da Europa). Aqui o estacionamento é pago (750 ISK – aproximadamente R$ 26,00), mas o acesso ao parque é gratuito.

Fizemos uma trilha de cerca de 40 minutos até chegar na cachoeira Svartifoss, toda contornada por pedras basálticas escuras em formato retangular. O parque estava lindo, todo nevado! Demoramos um pouco mais do previsto, porque andar na neve exige um pouco mais… Provavelmente se estiver sem neve, a trilha leva nuns 30 minutos ou menos.

Cachoeira Svartifoss

Nesse mesmo parque está o maior glaciar da Europa – Vatnajökull. Se você quiser, da pra fazer visita guiada pelo glaciar e conhecer uma caverna de gelo. Reserve em média 4 horas para esse passeio.

Nós não fizemos porque a visita seria apenas ao glaciar, visto que a entrada da caverna estava fechada pela neve.

Na baixa temporada você consegue comprar esse passeio lá no parque mesmo, próximo ao centro de visitantes vai ver o quiosque de venda. Mas se quiser organizar com antecedência, pode verificar as opções oferecidas pela Arctic Adventures.

Saímos do parque e visitamos alguns lagos glaciares, incluindo as lagoas de FJallsarlon e Jokulsárlon, ambas formadas pelo degelo do glaciar Vatnajökull.

Fiquei impactada quando tive a oportunidade de estar diante de um glaciar. Estava tudo tão lindo, tão branco, tão congelado. Me senti numa cena de filme mesmo, impossível não se sentir.

Em meses de verão você terá a oportunidade de ver Icebergs se deslocando lentamente pela lagoa. No inverno você verá até a própria lagoa congelada. Incrível das duas formas.

Jokulsárlon que é a lagoa Glaciar mais conhecida, e quando não está congelada, é possível fazer um passeio de lancha rápida por ela, que te leva perto do Glaciar.

Finalizamos a programação na Diamond Beach (Praia dos Diamantes), uma praia de areias negras cheia de grandes pedaços de gelo que se desprendem da geleira e chegam até ali. 

A Jökulsárlón está conectada ao oceano por um canal, que transporta os icebergs até o mar. Em decorrência da ação das ondas e dos ventos, muitos icebergs voltam para a areia da praia e o resultado é simplesmente incrível: uma praia de areias pretas repleta de pedaços de gelos de todos os tamanhos! Incrível!

Diamond Beach (Praia dos Diamantes)

Para dormir após esse dia, deixo como recomendação o Fosshotel Nupar ou o Fosshotel Glacier Lagoon. Ambos ficam na estrada, longe das luzes da cidade e com boas chances de ver aurora (se as condições estiveres boas).

Dia 7

O dia 7 foi o dia que reservei para conhecer a capital Reykjavik.

Dentre os pontos de interesse, estão:

  • Hallgrímskirkja, a maior igreja da Islândia (cerca de 75 metros de altura), sua arquitetura foi inspirada em dilúvios basaltícos.
  • Harpa Concert Hall, a ópera de Reykjavik.
  • A escultura Solfar, uma homenagem aos antepassados Vikings.
  • A zona histórica do porto (Old Harbor).
  • As ruas Laugavegur e Skólavörðustígur, que são as principais ruas de comércio da cidade.
Igreja Hallgrímskirkja ao fundo
Harpa Concert Hall – Reykjavik

Em Reykjavik é possível comer muito bem. Se você gosta de restaurantes especializados em alta gastronomia, vai adorar!

Experimentei o Apotek Restaurant e o Grillmarkadurinn. Ambos possuem menu com opções a la carte e também menu degustação com várias etapas. Gostei dos dois, mas o preferido foi o segundo. São restaurantes mais caros, mas com preço justo considerando a qualidade.

Também não pode ficar de fora da sua programação o cachorro quente do Bæjarins beztu pylsur (fica na frente do hotel Radisson Blue), considerado o melhor do mundo (a barraquinha ficou famosa depois de Bill Clinton comer ali).

Para o estilo clássico de cachorro quente, ele é gostosinho… Mas recomendo pela fama e tradição do local. Sugiro não chegar lá esperando de fato comer o melhor cachorro quente do mundo.

Cachorro quente do Bæjarins beztu pylsur

Dia 8

O último dia da viagem (o voo foi no dia 9 pela manhã) foi um dia livre no roteiro.

Deixei o dia livre propositalmente, pois no caso do clima não permitir que eu concluísse as atividades no tempo programado, eu ainda teria esse último dia para me reorganizar.

Considerando que apenas precisei fazer algumas inversões, mas que conclui todo o planejado no dia 7, aproveitei o dia 8 visitando uma estação de esqui próxima à capital.

A estação de Bláfjöll fica a 35 km de Reykjavik e é frequentada pelos islandeses, não pelos turistas.

Estação de Bláfjöll

É hábito da população sair do trabalho ou da aula e ir para estação passar o restinho da tarde e o começo da noite. Considerando isso, Bláfjöll funciona até às 21 horas.

A estação não é muito grande, mas foi o ideal para garantir a diversão do dia.

O ingresso para os lifts e o equipamento (ski ou snowboard) podem ser alugados lá mesmo. 

Existem mais estações de esqui na Islândia, como a estação de Arnarstapi (193 km de Reykjavik), a de Skçalafell, com belas vistas para o parque nacional que leva o mesmo nome; a estação de Hlidarfjall Akureyri, perto da cidade que leva o mesmo nome (Hlídarfjall – fica no norte), assim como a estação de Tindastól (no norte) e Dalvik (norte também).

Nessa última noite dormimos no Hotel Laxnes, localizado a 10 minutos do centro de Reykjavik. No dia seguinte acordamos cedinho para pegar o voo em Keflavík.

Conclusão

A viagem para Islândia ganhou o título de viagem mais exótica que já apareceu aqui no blog. Além do país já ter essa característica por si só, escolher fevereiro/março tornou a viagem ainda mais interessante.

Foi uma grande aventura e uma experiência memorável. Por mais que eu descreva minimamente os detalhes da viagem, só estando lá mesmo para entender um país tão pequeno em dimensões territoriais e tão grande em fenômenos naturais.

Para sentir um pouco mais de como foram intensos esses dias, recomendo que você assista os Stories que gravei, mostrando todos os detalhes. Eles estão salvos no destaque do meu Instagram – @maladeviagem.

Você gosta das minhas dicas? Siga o @maladeviagem no Instagram, assim você poderá acompanhar todas as minhas viagens em tempo real.

Já se inscreveu no nosso canal? Se ainda não, aproveita para se inscrever agora: Blog Mala de Viagem no Youtube.

Anna
Anna
Escorpiana assumida, Defensora Pública em MS e wanderlust por natureza. Está sempre programando uma nova aventura e em busca de experiências, porque acredita que a melhor viagem é sempre a próxima!