ÁfricaÁfrica do SulCidade do Cabo

Um mergulho na história: Cabo da Boa Esperança e Boulder´s Beach

Cabo-da-boa-esperança

Como você tem acompanhado aqui no blog, a África do Sul oferece ao turista uma gama imensa de atrações. Das mais belas praias às montanhas, passando por vinhedos e culinária inigualável. O fato é que não se identificar com esse país, parece-me algo impossível. E para dar continuidade ao nosso guia sobre a África do Sul, hoje vamos relembrar os livros de história e conhecer um pouco mais sobre o Cabo da Boa Esperança.

Independente do seu tempo em Cape Town, esse é um passeio que não pode faltar na sua lista.

Embora o Cabo da Boa Esperança não fique exatamente na Cidade do Cabo, para chegar até ele é simples e rápido.

Além disso, o roteiro que vou te apresentar hoje, deixa a viagem ainda mais interessante.

Quanto tempo é necessário para visitar o Cabo da Boa Esperança?

O ideal é reservar um dia inteiro para esse passeio, pois assim verá todas as atrações com calma, aproveitando as belezas sul-africanas em cada pedacinho da viagem.

Cape Point - Cabo da Boa Esperança
Cape Point – Cabo da Boa Esperança

Qual a melhor forma de locomoção?

Embora seja possível fazer esse passeio com uma agência ou até mesmo de ônibus, para mim, a melhor forma de fazê-lo é de carro.

Alugue um carro e curta sua viagem, fazendo as coisas no seu tempo, conforme sua disposição.

Alugar um carro na África do Sul é fácil: você precisará apresentar sua CNH (a nossa é válida) e o seu passaporte.

Confira também aqui no MV:

A cautela maior é e relação ao fato de ser um país que adotou uma característica própria de seu colonizador: a mão inglesa.

Como já disse aqui antes, achei fácil a adaptação, mas a atenção deve ser redobrada. Na dúvida, olhe sempre para os dois lados e evite conversar enquanto estiver dirigindo (pelo menos no começo, até se adaptar).

Estacionar também foi tranquilo. Todo o percurso tem estacionamentos disponíveis.

Qual roteiro fazer?

Fizemos o seguinte roteiro:

Depois seguimos viagem para Franschooek (Região Vinícola do Cabo).

Chapman´s Peak

A queridinha Chapman´s Peak é conhecida como “a estrada mais bonita de Cape Town”.

A razão para o título você percebe logo que chega no local:

Chapman´s Peak
Chapman´s Peak

Olha que em um país repleto de estradas cenográficas, o título é de peso!

Sem dúvida esse é o caminho mais bonito para se chegar até o Cabo da Boa Esperança, embora não seja o mais rápido.

Mas isso não importa, porque se o objetivo é passear e conhecer, o que a gente quer mesmo são vistas como esta, certo?

Dizem que o por do sol ali, é coisa de cinema… Se tiver a oportunidade, não perca a atração.

A Chapman´s Peak Drive tem início no bairro de Hout Bay (que fica a 20 quilômetros do centro da Cidade do Cabo), seguindo rumo ao sul, pela Península do Cabo, até a praia de Noordhoek.

O trajeto é cheio de curvas (são mais de 100 curvas), mas apesar de ser uma estrada muito sinuosa, o percurso é bem curtinho: são apenas 9 quilômetros.

Não tenha pressa (com tantas curvas, isso nem seria possível) e aproveite ao máximo a vista, apreciando seus mirantes.

De um lado estão os imensos paredões de pedras, do outro o lindo oceano dizendo quem manda ali!

Inclusive, uma observação relevante a se fazer, é que se o tempo não estiver firme, a estrada fecha. Assim, por questão de segurança, em virtude do risco de desabamento das rochas, caso esteja ventando mais do que o comum (que já é bastante), chovendo muito ou com previsão de tempestade, não é possível percorrer seus 9 km, sendo necessário pegar uma rota alternativa.

Essa linda estrada é pedagiada, mas já digo de antemão que vale a pena pagar os R45 (cerca de R$ 11,00 ou R$ 12,00) cobrados.

Fomos até a Chapman´s duas vezes, a primeira foi durante no passeio de sidecar, que já foi assunto de post aqui no blog (Sidecar: passeio encantador e jeito diferente de conhecer Cape Town), e a segunda foi quando fomos, com o carro que alugamos, ao Cabo da Boa Esperança.

E que dia lindo!
Um dos mirantes da Chapman´s

Boulders Beach

Praia mais fofa da região! E não é pra menos, já que estamos falando da famosa praia dos pinguins, que fica na charmosa cidadezinha de Simon´s Town.

Boulder´s Beach
Boulder´s Beach

Imagina uma praia cheia de pinguins? Pois é, aqui ela existe e atrai a atenção de visitantes todos os dias. O local é o lar de uma colônia de mais de 2 mil pinguins africanos.

Impossível resistir ao charme dessas criaturinhas, apesar do seu cheirinho não muito agradável… Ok, a gente nem liga (leia-se: “a gente aguenta”).

As colônias de pinguins africanos podem ser encontradas do sul da Namíbia e por todo o caminho da costa sul-africana, até Port Elizabeth, mas poucos lugares oferecem um ponto de observação tão notável como Boulders Beach.

Em 1983 foi quando os pinguins africanos chegaram pela primeira vez a False Bay, onde havia muita comida, facilitando a reprodução da espécie. Porém, nos últimos anos, a pesca comercial, a poluição e a  destruição de seu habitat, afetaram o tamanho da colônia, fazendo com que a espécie esteja atualmente em extinção.

Boulder´s Beach
Boulder´s Beach

Paramos em Boulders Beach na ida (até o Cabo da Boa Esperança), mas você também pode optar por parar ali na volta.

O motivo da nossa parada na ida é porque ainda era cedo, então mesmo com uma parada ali, não chegaríamos tarde do próximo destino.

Passamos novamente na cidade de Simon´s Town na volta, mas apenas para almoçar.

Boulder´s Beach
Boulder´s Beach

E como funciona a visita?

Os turistas podem avistar os pinguins de cima de um deck de madeira, que fica bem próximo a eles, garante uma boa vista, sem perturbá-los.

Tanto é, que alguns chegam bem pertinho do deck e até parecem pousar para fotos.

Existe outro ponto da praia (FoxyBeach) onde é possível ir até a areia. Não sei dizer exatamente como funciona e também não tive vontade de ir, pois vê-los dali de cima, sem interferir muito em seu espaço, pareceu-me mais sensato.

O acesso à plataforma é feito através do Boulders Visitor Centre (Centro de Visitantes de Boulders).

Welcome
Welcome to Boulder´s – o lar dos pinguins africanos

A entrada, em outubro de 2017, custava R40 (cerca de R$10,00).

O estacionamento fica um pouco antes dessa plaquinha de boas vindas, mas é bem fácil encontrá-lo, até porque você já verá uma  grande movimentação no local.

O horário de funcionamento varia: de dezembro a janeiro – das 7h às 19h30; de fevereiro a março – das 8h às 18h30; de abril a setembro – das 8h às 17h; de outubro a novembro – das 8h às 18h30.

Mas fique atento aos horários e pesquise se eles permanecem os mesmos quando fizer sua visita, já que podem ter sido alterados.

Durante os meses de setembro e outubro, os pinguins passam grande do tempo se alimentando no mar. Janeiro é a melhor época para ver as aves na areia.

Simon´s Town

A linda Boulder´s fica na cidadezinha de Simon´s Town.

Geralmente as pessoas passam reto por ali, mas só de observar sua rua principal, você percebe que ela merece um pouco mais de atenção.

Na ida fizemos a parada apenas na praia dos pinguins, mas no retorno (na volta do Cabo da Boa Esperança), paramos na cidade para almoçar.

O lugar escolhido era um charme só, e vale a pena recomendar: The Lighthouse Cafe.

Nessa fase da vida, ops, da viagem, eu já estava tentando voltar a ter foco (e não voltar rolando para o Brasil), então pedi um peixe com legumes e salada. O prato estava delicioso.

O The Lighthouse Cafe fica na rua principal da cidade. Encontramos ele no TripAdvisor.

Comida boa, fresca e preços bons. Vale a visita!

Cabo da Boa Esperança

O Cabo da Boa Esperança (que antes levava o nome de Cabo das Tormentas) foi “descoberto” pelo navegador português Bartolomeu Dias… Quem lembra?

Eu adorava as histórias de “navegadores engolidos por monstros” (daí o nome “Cabo das Tormentas”) e dos mistérios que envolviam o local.

Pois bem, Bartolomeu Dias foi teimoso, dobrou o cabo e o rei João II mandou que mudasse seu nome para “Cabo da Boa Esperança” (Cape of Good Hope). Eu gostava mais do primeiro nome… Mas fazer o quê, né? O que tá feito, tá feito.

E por qual motivo, razão ou circunstância, queriam tanto dobrar o cabo que engolia gente? Ora, muito simples: eles ainda ainda precisavam chegar às Índias e dominar o comércio na região.

Só uma observação pertinente aqui: em 1652, um mercador holandês estabeleceu um posto de reabastecimento (tudo “focado” nas Índias”) e esse posto de abastecimento evoluiu para o que hoje conhecemos como Cidade do Cabo.

O fato é que: ao contrário do que já se imaginou (e do que muita gente ainda acha), o Cabo da Boa Esperança não é o extremo sul do continente africano. Na verdade, o ponto mais meridional do continente africano é o Cabo Agulhas.

Enfim, é tanta história bacana que envolve esse lugar, que só por isso já bastaria conhecê-lo, certo? Certo.

Mas o fato de Cape Of Good Hope ser um must go, não para por aí não, pois o lugar é MA-RA-VI-LHO-SO!

Antes de chegar lá, você pode até pensar nos navegadores que perderam suas vidas tentando “dobrá-lo” (engolidos por monstros, ou não, vai saber)…

Mas quando você está ali nos mirantes, olhando o oceano: “Nussss… que lugar mais perfeito!” – e essa é a única coisa que lhe vem à cabeça.

Para organizar bem as coisas, vou explicar como é o lugar:

Entrada do Cabo da Boa Esperança

O Cabo da Boa Esperança pertence ao Table Mountain National Park (assim como a maioria das belezas naturais de Cape Town e Rota Jardim).

Quando você passa pela entrada e paga o ingresso de admissão (R135 para adultos e R70 para crianças – em 2017), anda muito dentro dele até chegar ao Cape Point ou à placa onde está escrito “Cape of Good Hope”. Ou seja, o parque é enorme.

Existem trilhas para ser feitas em seu interior (ou você pode percorre-lo de carro mesmo).

Trilhas

Por exemplo: é possível fazer uma trilha de 1h30min para chegar até o “Cape Of Good Hope”, que é onde está essa placa:

Sempre tem fila para tirar essa foto

A placa, embora legal e icônica, mente: o Cabo da Boa Esperança não é o ponto mais meridional do continente africano, mas sim o Cabo Agulhas.

A trilha é feita por essas rochas que aparecem atrás da foto. Se não quiser fazer a trilha, não tem problema, dá pra chegar de carro até lá.

Outro ponto a ser visitado lá dentro e, na minha opinião, o mais incrível, é o farol Cape Point.

Na verdade, a beleza do lugar eu acho que não está no farol em si, mas sim no caminho (com os seus mirantes espetaculares) que levam até ele.

A “trilha” que leva até o Cape Point é uma subida (dá pra subir de funicular também, pagando o ingresso à parte).

A trilha é tão linda, que seria um desperdício de VIDA pegar o funicular.

Cape Point
Cape Point – um dos primeiros mirantes
Cape Point – a vista é de tirar o fôlego!
Cape Point – a tal da subida que vale a viagem
Cape Point

O dia estava lindo, ensolarado que só ele. Tudo bem que depois fechou tudo e até choveu (mas isso foi quando já estávamos lá em Muizenberg).

Cape Point

Observação final importante: Chegue cedo, quanto antes melhor. Fomos de manhã, um pouco depois da abertura do portão, e ainda estava tranquilo. Não precisamos enfrentar fila nem nada.

Porém, quando fomos embora (perto do meio-dia), a fila de entrada estava um terror. Portanto, quanto mais cedo conseguir chegar, melhor.

No início da subida ao Cape Point, tem um restaurante, caso queira almoçar por lá.

Ps. Não encontramos os babuínos, mas há placas dizendo que eles estão em todo lugar! Tranque o carro e mantenha os vidros fechados, pois se eles entrarem no carro, poderão fazer um estrago e levar objetos embora.

Foi incrível relembrar esse lugar! Um dos melhores passeios de Cape Town.

Agora deixo você com o vídeo que gravamos do passeio. Aproveita e se inscreva no nosso canal do Youtube!

Espero ter ajudado na programação da sua viagem e te incentivado ainda mais a conhecer esse país maravilhoso, que eu tanto amei.

Para mais dicas sobre o Cabo da Boa Esperança, indico o post feito pelo Igor, do Blog S2 Station, que você pode conferir clicando aqui. Eles fizeram o tour de sidecar (aquele mesmo passeio que fizemos pelo litoral de Cape Town, lembra?) e detalharam bem a aventura!

Você gosta das minhas dicas? Então aproveita e segue também o @maladeviagem no Instagram, assim você poderá acompanhar todas as minhas viagens em tempo real!
Agora o Mala de Viagem também está no TripAdvisor, com todas avaliações de cada experiência da viagem – aproveita e me segue lá também!

Se você gosta do conteúdo do Blog Mala de Viagem, gostaria de te pedir uma ajuda: faça sua reserva de hospedagem pelo Booking.com através do banner aqui na lateral direita do blog. Você não pagará nada a mais por isso, contribuirá para que façamos mais viagens, e sem dúvida novos posts sempre aparecerão por aqui! Muito obrigada!

Anna
Anna
Escorpiana assumida, Defensora Pública em MS e wanderlust por natureza. Está sempre programando uma nova aventura e em busca de experiências, porque acredita que a melhor viagem é sempre a próxima!