Skip to main content

Praias e Passeios imperdíveis em San Diego – Parte1

Que o Brasil é um espetáculo quando o assunto é praia, disso ninguém discorda, mas ainda que as águas do Oceano Pacífico não sejam tão cristalinas e de tonalidade azulada ou esverdeada como vemos com frequência no nosso país, a localização privilegiada da Califórnia torna cada por do sol na praia um momento mágico.

O sol se põe no mar e o resultado disso é um jogo de cores de tirar o fôlego, que faz qualquer fotógrafo amador pegar gosto pela fotografia, começar um curso ou querer se aprofundar no assunto.

Durante a programação da trip, um plano já estava em mente: queríamos ver o máximo de sunsets beaches possíveis. E o resultado não desapontou.

Embora o post seja sobre as praias de Califórnia, principalmente de San Diego (pelo menos nessa primeira parte do post), não posso deixar de falar de um super sunset que presenciamos em Miami: o sunset em Key Biscayne!

Key Biscayne é um ilha localizada dentro de Miami, onde você tem tem as melhores vistas de Miami Downton. Pra chegar lá, além do trânsito geralmente intenso, você pega uma ponte de 6km de extensão sob o mar (que faz o trânsito valer à pena). No trajeto, também é necessário pagar um pedágio de US$ 1,75.

Optamos por assistir o nosso espetáculo em Crandon Park Beach, que fica logo na entrada da ilha. Outra praia muito recomendada ali, é Bill Baggs, no final da ilha, onde está o farol mais antigo de Miami – Cape Flórida Lighthouse, construído em 1825. O farol fica dentro de um parque e, para ingressar, é cobrado US$ 8,00 por carro.

Bom, parênteses feito, voltamos aos incríveis sunsets de San Diego!

Ocean Beach

Nossa primeira praia em San Diego foi Ocean Beach, que fica a alguns km ao norte de San Diego (dá pra ir de ônibus, mas optamos pelo Uber, que custou mais ou menos US$ 10,00).

O bairro de Ocean Beach e sua praia, lembram o estilo de Venice Beach, em Los Angeles. É uma praia “roots”, que preserva o espírito californiano da década de 1960: músicos de rua, hippies, surfistas… é o típico lugar onde você pode sair de casa para comprar seu café vestindo pijamas, e ninguém irá reparar.

No verão, é uma praia muito frequentada por surfistas (até mesmo agora no inverno tinha alguns aventureiros na água gelada) e por quem curte atividade física com vista privilegiada!

A principal atração é, sem dúvidas, o pier municipal de 800 metros – um dos maiores de toda a Califórnia. O passeio pelo pier com o sol se pondo no mar é um programa free, mas de valor imensurável! Durante essa época do ano (novembro – outono), o sol se põe bem cedo por aqui (por volta das 16h40min, 16h50min, no máximo 17h, dependendo do dia), então take care, pois um mínimo atraso já pode te fazer perder a melhor atração do dia.

No pier tem um Café com balcão e baquetas posicionadas exatamente onde o sol se põe. Sentar por ali, tomar um drink ou comer um petisco me pareceu uma ótima opção também.

Quando o sol se foi, ficando apenas o crepúsculo, fomos ao South Beach Bar & Grille aproveitar o Taco Tuesday (evento muito tradicional por aqui). Às terças, muitos restaurantes de San Diego fazem promoção de tacos (às vezes você compra um e ganha outro), e a isso se dá o nome de Taco Tuesday.

Esse bar tem um rooftop muito bacana, com vista direta para o pier de 800m de OB, sendo também um bom ponto para apreciar o sunset se você quiser uma vista panorâmica.

Sunset Cliffs

Esse é um dos lugares que deve ser incluído em sua programação, mesmo que você só esteja de passagem por San Diego.

Já ouvi muita gente aqui dizendo que é o sunset mais bonito de San Diego.

Sanset Cliffs fica no final de Ocean Beach, e lá há um parque natural onde com muitos penhascos (“be careful“, pois há erosão no local), de onde se tem uma vista incrível do mar e do por do sol.

Há bastante gente que passa por lá para o mesmo programa, mesmo naquele dia gelado de dezembro, havia um número considerável de pessoas por ali (e, como sempre, alguns surfistas se aventurando nas águas geladas do Pacífico, pois como eles dizem: essa é a melhor época para o surf).

Pegamos um dia meio nublado, e mesmo assim já achei lindo. Imagina num tradicional dia de sol na Califórnia?

Coronado Island

A ilha de Coronado se trata de uma península situada bem na frente da baía de San Diego. Coronado é repleta de belas casas e é um lugar muito agradável para caminhar pelo calçadão, vendo as mansões de um lado e a linda e ampla praia do outro.

Dá pra chegar na ilha de carro (a vista que se tem da ponte é linda. Adorei a volta, quando já estava escuro e dava pra ver o centro de San Diego e seus prédios todos iluminados), ônibus de linha comum ou de ferry (a rota de barco dura cerca de 15min).

Em Coronado está o famoso Hotel del Coronado (você com certeza vai ouvir falar desse hotel por aqui), que foi construído em 1887. Além de famoso e muito tradicional, se hospedar nele não é uma opção para todos os bolsos.

O bacana é que você pode caminhar pelas dependências externas do hotel para conhece-lo e até mesmo frequentar seus bares e restaurantes.

Nessa época do ano (dezembro), o hotel monta uma pista de patinação no gelo bem na frente, entre o hotel e a praia. Paguei 25 dólares (valor em 2016) para patinar por 1h30min e tive a oportunidade de patinar vendo a praia e o por do sol – foi uma experiência legal! O Rodrigo, que não é muito fã de “esportes radicais” (ou nem tão radicais assim), preferiu ficar nos “clicks”.

Sunset em Coronado também deve ir pra sua lista!

La Jolla

La Jolla é um bairro de alto poder aquisitivo em San Diego, e isso você percebe logo que chega lá. Lembra um pouco Beverly Hills, com suas árvores imensas pelas ruas, lojas de grife, concessionárias de carros que valem uma boa fortuna e por aí vai…

Caminhar pelo bairro já é uma das atrações do local, pois tudo é muito bonito mesmo. Fomos próximo a hora do almoço e escolhi um restaurante vegano para almoçar (foco na dieta!), o Trilogy Sanctuary (lá também tem aulas de ioga). O Rodrigo escolheu uma lanchonete chamada Grater Grilled Cheese Truck, e pediu um lanche com lagosta que estava muito bom (ele que pede os lanches, mas o primeiro pedaço é sempre meu).

Minha escolha no Trilogy Sanctuary
Lanche do Rodrigo no Grater Grilled Cheese Truck

A sobremesa foi um gelato da Bobboi, uma gelateria que também tem algumas opções veganas e deliciosas (não sou vegana, mas devido minha intolerância à lactose, essas opções acabam sendo ótima alternativa pra mim. Pena que no Brasil não é tão fácil encontrar como nos EUA). Super recomendo o lugar, o gelato não é barato (não muito mais caro do que se paga no Brasil), mas é uma delícia!

 

Além de passear pelas ruas, comer e fazer compras, La Jolla tem algo especial: leões marinhos.

Em La Jolla Cove você consegue chegar bem próximo a eles, já que estão sempre por ali descansado e tomando um solzinho. Só aviso de antemão que o cheiro não é dos melhores (bem desagradável em alguns pontos inclusive… mas ok, da pra aguentar numa boa).

E pra fechar o dia em La Jolla, é claro que teve sunset.

Escolha qualquer lugar da praia e apenas aprecie a vista. Tenho certeza que verá mais um por do sol inesquecível!

Balboa Park

O Balboa Park ocupa uma área de mais de 1.400 metros, e é o maior parque de San Diego (é dentro dele que está o San Diego Zoo). Comporta uma infinidade de jardins, museus, teatros e construções históricas (foi construído em 1915).

Sempre no início de dezembro, o Balboa é sede de um evento natalino chama Balboa Park December Nights (o evento já existe há muitos anos), como se fosse uma feira, uma exposição natalina. Além de luzes natalinas, corais e eventos típicos dessa época do ano, você encontra barraquinhas de comidas típicas e um parque de diversões para crianças.

Como a festa dura apenas dois dias, grande parte da população de San Diego vai parar lá (esse ano foram 360.000 visitantes), então se quiser conhecer e ter essa experiência, o jeito é “encarar o mar de gente” (mas tudo é muito organizado, na medida do possível).

Não é cobrado nenhum valor para ingressa no parque, e o mais bacana é que durante o Balboa Park December Nights, é possível visitar os museus do parque sem pagar nada, legal né?

Fomos no museu de arte moderna, museu do automóvel, da aeronáutica e do esporte (faltou o museu do homem, que dizem ser muito bom também). Nossos preferidos foram o de arte moderna e o do automóvel. Também passamos pelo museu de história natural, mas não deu tempo de entrar (já estava fechando).

Para comer foi difícil… confesso que tanto o Rodrigo como eu, não somos muito decididos sobre o que comer quando nos deparamos com muitas opções. As barraquinhas são simples e não vi nada muito elaborado. Tudo coisa pra você comer por ali mesmo, andando, meio que no improviso, como acontece nas feiras de exposição no Brasil.

Acabamos optando por uma barraquinha mexicana e o sabor estava ok – boa escolha, mas nada especial. A sobremesa sim foi especial: não deixei de provar os cookies da The Cravory quando visitar San Diego!

USS Midway

Na região central de San Diego (próximo ao bairro histórico de Gaslamp Quarter) está o famoso USS Midway – o maior museu dentro de um porta aviões do mundo!

o USS Midway está atracado em Navy Pier (na região de Seaport Village) e integra a lista dos melhores pontos turísticos para visitar em San Diego.

O Midway foi lançado ao mar no fim da II guerra mundial, em 1945; e teve sua aposentadoria compulsória em 1992, quando já não era mais considerado tão moderno como antes.

Foi então transformado em museu, e aberto ao público em 2004. O valor da entrada é 20 dólares por pessoa/adulto (valor em 2016).

San Diego é a sede da maior base naval da costa oeste, o que justifica sua escolha como domicilio definitivo do USS Midway. Em seu interior, o museu possui 27 aeronaves, todas já utilizadas (algumas delas inclusive durante a II guerra mundial).

Ao lado do porta aviões está a Uncondicional Surrender, a famosa escultura do marinheiro beijando a enfermeira em New York, em comemoração ao final da II guerra. Claro que tivemos que passar lá e registrar a clássica foto também!

Espero que essa primeira parte do post sobre San Diego te ajude na programação da sua viagem!

Em breve a continuação do post e outras dicas sobre a Califórnia.

Abraço,

Anna.

  • Anna

    olá