AméricasEstados UnidosEuropaFrançaNova YorkParis

Gastos com viagem: Quanto custa viajar para Nova York e Paris?

gastos nova york e paris

Acabamos de retornar de uma viagem que somou dois destinos muito cobiçados, amados, desejados pelos brasileiros (e pelo restante do mundo): Nova York e Paris! Quer saber quanto custou e exatamente quais foram os gastos dessa dobradinha?

Você pode estar se perguntando: “nossa Anna, mas porque vocês escolheram dois destinos ‘tão caros’ para fazer numa mesma viagem? Quais foram os gastos?”

E para responder essa pergunta e “desmistificar” um pouco essa ideia de “lugar caro/lugar barato”, é que escrevo o post de hoje, mostrando que com um bom planejamento e um pouco de sorte com promoções, é possível conciliar essas cidades com o bolso sim (ainda que se pague em dólar e euro).

Quer descobrir quanto custou essa trip de 15 dias para Nova York e Paris e quais exatamente foram os nossos gastos na viagem? Então continue a leitura, que hoje o post é prático e objetivo, porém muito informativo!NOVA YORK 2

PARIS 1

VIAGEM DE 15 DIAS A NOVA YORK E PARIS EM MARÇO DE 2018

PASSAGENS AÉREAS

Passagens aéreas, obviamente, é o primeiro quesito a ser cumprido no planejamento da viagem.

Esse quesito geralmente não me assusta, e os motivos são os seguintes:

  • Cartão de crédito

Sou daquelas que concentra todos os gastos do mês no cartão de crédito, desde um café na esquina até os móveis para a casa.

Tudo no crédito e parcelado no máximo que dá (eu sei que isso depende muito do “planejamento econômico” de cada um, mas aqui em casa essa é a forma que mais funciona).

A consequência disso são pontos acumulados, que geram milhas, que serão convertidas em passagens aéreas, de preferência as internacionais.

E assim, pelo menos uma passagem internacional de ida e volta para o casal está garantida todo ano.

  • Promoções

Hoje em dia há muita oferta de passagens aéreas. O segredo é ficar ligado nelas.

O site Passagens Imperdíveis é um bom aliado nessa busca, assim como o MaxMilhas, VajaNet, Melhores Destinos… Uso esses sites como fonte de pesquisa, mas uma vez decidida a companhia aérea e o voo, prefiro comprar direto na companhia (embora isso não seja uma regra absoluta), em virtude das possibilidades de alteração e cancelamento diante de algum imprevisto.

E foi numa dessas promoções (dessa vez pelo ViajaNet), que comprei passagens SP – NY – Paris por R$ 2.200,00 por pessoa (já com taxas).

Isso mesmo, gastei o equivalente a uma passagem, todavia, para conhecer 2 destinos. O voo saiu de São Paulo com destino a Nova York, onde ficamos por cinco dias; depois de Nova York a Paris, onde ficamos por mais 6 dias e no retorno fizemos uma conexão em Miami, antes de retornar a São Paulo.

O voo foi operado pela companhia American Airlines, por isso a volta teve a conexão em Miami.

E o que muita gente não sabe é que às vezes você nem precisa esperar a promoção perfeita para conseguir essa proeza, visto que muitas companhias aéreas oferecem a opção de “Stopover”, quando você consegue incluir dias no seu ponto de conexão, ao invés das poucas horas usualmente conhecidas. Mas isso já é assunto para um próximo post…

Compradas as passagens (e olha que essas foram compradas com um ano de antecedência, o que não é nada comum quanto o assunto é comprar passagens a bons preços), hora de reservar hotéis.

PREÇO DAS PASSAGENS: R$ 2.200,00 por pessoa.

HOTÉIS – NOVA YORK E PARIS

Se por um lado as passagens foram uma bela economia, no quesito “hospedagem”, precisei desembolsar um pouco mais.

Meu critério inicial foi localização. Meu critério intermediário foi preço. Meu critério final foi conforto.

Nova York tem uma infinidade de opções de hotéis, mas muito são velhos, mofados e me ataca a rinite… Tendo isso em mente, confesso que tive um pouco de dificuldade em escolher o hotel ideal.

Quando dinheiro não é o problema, tudo é fácil: basta procurar o melhor e mais bem localizado hotel da cidade e pronto. Mas quando se busca o melhor “custo-benefício” a tarefa complica.

Indicação vai, indicação vem, optei pelo “ROW NYC”, um hotel muito procurado por brasileiros em Nova York. O hotel possui 1.300 quartos, e dependendo da época, chega a ser 80% ocupado por brasileiros.

A localização do ROW é incomparável – menos de 5 minutos (a pé) da Times Square.

O hotel é estilo Ibis, quarto pequeno, simples, mas com o mínimo de conforto necessário.

Café da manhã não incluso, mas com uma gama imensa de opções nas redondezas, então isso não foi um problema.

Se eu ficaria novamente no ROW? Sim, atendeu as nossas necessidades. Eu só não me hospedaria de novo se dá próxima vez minha reserva financeira for maior, possibilitando que eu escolha um hotel de categoria superior (desde que seja bem localizado também).

Nosso ritmo de viagem é muito intenso. Geralmente saímos às 9 horas da manhã e só retornamos a noite. Em média andamos 13 quilômetros por dia, sendo assim, ter um bom lugar para dormir e realmente descansar, é fundamental.

E quando chegamos ao hotel ROW tivemos sorte, pois fomos atendidos pelo Junior (brasileiro), que nos deu um upgrade! Disse que o quarto que reservamos era muito pequeno (claro, reservamos o mais barato que apareceu no site de reserva), que ele não gostava daquele quarto (simples assim) e que nos colocaria em um quarto de categoria superior! Oba, nos demos bem nessa!

Olha a sorte batendo na nossa porta de novo (a primeira vez foi com as passagens, agora com o upgrade no hotel).

Mesmo sendo de categoria superior (“Deluxe”), friso novamente: “o quarto não é grande, mas oferece o mínimo de conforto necessário para uma boa estadia na melhor localização de Nova York”.

ROW NYC

PREÇO DE 5 DIÁRIAS NO HOTEL “ROW NYC”: R$ 2.059,29 (no hotel é exigido  depósito de US$ 50,00 por noite, restituído ao final da estadia, além do pagamento de “Taxas de Resort” no valor de US$ 34,42 por noite/acomodação).

Em Paris a escolha pelo hotel ideal foi mais fácil. Recebi a recomendação de uma seguidora do @maladeviagem, pesquisei o hotel, gostei e reservei.

A opção para 6 diárias em Paris foi pelo “Novotel Paris Les Halles”, um hotel 4 estrelas, localizado no centro de Paris, ao lado de uma das maiores estações de metrô da cidade e muito confortável.

O hotel é excelente e esse eu recomendo sem qualquer restrição.

Quarto confortável, espaçoso, aconchegante. Nível Novotel mesmo.

Atente-se apenas ao fato de que há mais de um Novotel em Paris, e o que eu me hospedei e recomendo é o “Novotel Paris Les Halles”.

Nossa diária não incluía café da manhã, mas você pode optar por incluí-lo a um valor adicional (se for pagar no hotel custa 20,00 euros por pessoa) – achei caro, pois com metade desse valor é possível tomar café nas redondezas do hotel.

Novotel Les Halles

PREÇO DE 6 DIÁRIAS NO HOTEL “NOVOTEL PARIS LES HALLES”: R$ 3.419,13 (no hotel é exigido depósito no momento do check-in, com restituição ao final da estadia, bem como “taxa da cidade de Paris”, que totalizou 36 euros para 6 diárias).

Obs. Costumo fazer minhas reservas pelo site Hotéis.com, pois a cada 10 diárias utilizadas, você recebe um crédito (cujo valor é proporcional ao valor das 10 diárias), como se fosse uma 11ª diária grátis.

Esse crédito você consegue utilizar na sua próxima reserva. Assim, considerando que eu tinha um crédito de R$ 636,26, utilizei o valor para abater na reserva do Novotel Les Halles, que acabou saindo por R$ 2.782,87.

Também gosto de fazer reserva pelo Hotéis.com porque dá para pagar em real e parcelar em até 12x no cartão de crédito (opa, olha o acúmulo de pontos/milhas aí gente).

Pra ser sincera, quando o hotel é fora do país, odeio pagar a diária no estabelecimento na moeda local, pois se pagar em dinheiro, além de acabar com o dinheiro que levei, ainda não vou acumular milhas… Por outro lado, se pagar no cartão de crédito fico vulnerável à taxa de câmbio do dia, IOF, essas coisas, além de vir o valor integral no vencimento (e eu gosto de parcelar, lembra?).

Dicas dadas, voltemos aos gastos.

GASTOS EM NOVA YORK – 5 DIAS

Nova York 3

– Uber do aeroporto JFK ao hotel Row NYC – 75 dólares (mas já adianto que é fácil ir de metrô, além de muito mais barato – como fizemos na volta).

– Passe de metrô para todo o período (Metro Card) – 32 dólares por pessoa.

– CityPass para 6 atrações: 123 dólares por pessoa.

– Guarda chuva – 10 dólares (não durou um dia… Claro, estava chovendo, ventando e nevando no dia da chegada).

NY metro

– MM’s a granel na loja da MM´s na Times Square – 5 dólares (muito mais caro que no mercado, mas eu queria fazer graça e peguei um pouquinho).

– almoço no Olive Garden – 50 dólares para 2 (2 pratos – a entrada, que pode ser salada ou sopa à vontade, já é inclusa), com gorjeta de 20% já somada ao valor.

– Musical da Broadway Fantasma da Ópera – 79 dólares por pessoa (compramos na TKTS com desconto).

– Musical Chicago, Broadway – 80 dólares por pessoa (ingressos comprados com desconto na TKTS).

Nova York Broadway

– Jantar no Carmine’s – 42 dólares para 2 (os pratos são enormes e servem 3 pessoas facilmente), já com gorjeta de 20% inclusa neste valor.

– Café grande no Starbucks – 7 dólares.

– Tacos no Los Tacos No. 1 no Chelsea Market – 15 dólares para 2 (foram 4 tacos pequenos).

– Sobremesa no Chelsea Market – 6 dólares (num doce estranho feito de nuts).

– Pizza no Chelsea Market – 7 dólares por 2 pedaços.

– Burger Joint – 25 dólares por 2 hambúrgueres.

– Cheesecake no Junior´s – 9 dólares (é enorme, dá para dividir em 2 e sobra).

– Café da manhã no Amy’s Bread – 19 dólares por 2 bagel e 1 café mocha grande.

– Almoço no Brooklyn (restaurante natureba) – 30 dólares por 2 bowls e um chá.

– Compras na Century 21 – 250 dólares (compramos roupas de frio – blusas, cachecóis, luvas, lenços…).

– Jantar no Junior’s – 33 dólares para 2 (1 prato serve duas pessoas), valor já com 20% de tips.

– Perfume Abercrombie – 90 dólares

– Almoço no restaurante Raclette – 77 dólares para 2 (prato para dividir).

– Compras de barrinha de proteína “ONE” na GNC – 50 dólares (cada barrinha sai por 2,50 dólares).

– Gravuras que compramos na rua – 15 dólares.

– Crepe na praça de alimentação do Hotel The Plaza – 23 dólares por 2 crepes.

– Almoço no Le District – 30 dólares para os 2.

– Sorvete Jerry and Ben – 10 dólares.

– Jantar no 5 Napkin – 30 dólares por 2 hambúrgueres.

– Café da manhã no Junior´s – 29 dólares para 2, já com gorjeta de 20% inclusa neste total.

Nova York 1

O QUE NÃO FARÍAMOS NOVAMENTE: Pedir Uber para ir do aeroporto ao hotel. Metrô nos pareceu a melhor opção.
O QUE MAIS GOSTEI: Musical Chicago.
MELHOR REFEIÇÃO: Raclette.
MELHOR SOBREMESA: Cheesecake do Junior´s
MELHOR HAMBURGER: 5 Napkin
MELHOR FORMA DE LOCOMOÇÃO: Metrô e caminhando
CITYPASS VALE À PENA? Só se você tiver mesmo interesse em ir a todas as atrações que ele oferece. Ele lhe garante não ficar na fila para comprar o ingresso, mas se tiver fila para entrar na atração, será necessário esperar.

Nova York 4

GASTOS EM PARIS – 6 DIAS

PARIS 3

– Metrô do aeroporto ao hotel e vice-versa – 11 euros por pessoa na ida, 10 euros por pessoa na volta (na ida compramos no centro de informação ao turista, por isso foi 1 euro a mais, porém, foi um ótimo negócio, pois a fila para comprar diretamente na máquina do metrô estava quilométrica).

– Metrô para 5 dias – 30 e poucos euros por pessoa (compramos no quiosque de informação ao turista no aeroporto). Eu esqueci de anotar na hora e agora não lembro o valor exato.

– Paris Museum Pass para 6 dias – 72 euros por pessoa (compramos no quiosque de informação ao turista no aeroporto).

PARIS 1

– Almoço na Galerie Lafayette – 17 euros para os 2 (almoçamos em um restaurante estilo buffet, onde os valores de cada opção de comida são pré-fixados).

– Chocolate quente no café Angelina da Galerie Lafayette – 8 euros.

– Jantar em um bistrô perto do hotel (não anotei o nome porque o lugar não era bom o suficiente para ser indicado aqui no blog) – 34 euros para os 2 (uma entrada, dois pratos e uma sobremesa).

– almoço no Restaurant 58, Tour Eiffel – 94 euros para 2 (entrada, prato e sobremesa + taca de vinho + ingresso para subir até o segundo andar da Tour Eiffel).

– Crepe/jantar (comprado em uma creperia,) – 14 euros por 2 crepes (na verdade esse não era exatamente um crepe, assemelhando-se mais a uma panqueca).

– Le Bistro Marbeuf – 45 euros para 2 (dois pratos – comida ruim, não vá).

– Macarron Ladurée – 20 euros (8 macarrons).

– Crepes na barraquinha de rua: 10 euros (3 crepes – dois salgados e um doce).

– café da manhã próximo ao hotel: 22 euros para 2.

– jantar no bistrô Hugo: 65 euros para 2 (uma entrada, dois pratos e duas sobremesas + meia garrafa de vinho).

– Almoço no Le Soufflé: 46 euros para 2 (dois suflês salgados e um doce).

– Sorvete Amorino: 6 euros.

– Almoço no Les Antiquaires: 35 euros para 2 (dois pratos).

– Chocolate quente e doce no café Angelina: 17 euros.

– Jantar no Le Pie Noir: 64 euros para 2 (uma entrada, dois pratos, uma sobremesa, duas taças de vinho).

– Moulin Rouge com jantar: 178 euros por pessoa (jantar com entrada, prato principal, sobremesa e um garrafa de vinho ou champanhe).

– Ensaio fotográfico com o fotógrafo Ton Bueno: 250 euros (sessão dura cerca de 3h, as fotos são tiradas em três lugares diferentes e você tem direito a 40 fotos editadas).

PARIS

O QUE NÃO FARÍAMOS NOVAMENTE: Comer no Le Bistro Marbeuf, pois é ruim e caro – foi o pior da viagem
O QUE MAIS GOSTEI: Moulin Rouge (principalmente o show).
MELHOR REFEIÇÃO: Bistrô Hugo.
MELHOR SOBREMESA: Macarron Ladurée, chocolate quente Angelina e sorvete Amorino.
MELHOR INVESTIMENTO: Sessão de fotos com o Ton Bueno.
MELHOR FORMA DE LOCOMOÇÃO: Metrô e caminhando.
PARIS MUSEUMPASS VALE À PENA? Definitivamente, pois inclui muitas atrações.

PARIS LADUREE

NOSSO ESTILO DE VIAGEM

Adoramos conforto, mas analisamos o custo benefício, então às vezes o luxo precisa sair de cena mesmo para que possamos equilibrar os gastos.

Preferimos um bom jantar ao invés da comodidade de pedir um Uber ou taxi para nos levar do aeroporto ao hotel (usar Uber em Nova York foi um grande arrependimento).

Se economizarmos de um lado (exemplo: passagens), podemos liberar um pouco mais do outro (exemplo: gastos com hotel em Paris).

Em Nova York não priorizamos comida, pois não gostamos da culinária norte-americana. Até temos vontade de conhecer algum dos restaurantes renomados (seja em NY ou em Paris), mas não era prioridade dessa vez.

Em Paris optamos por comer em bistrôs bem avaliados no TripAdvisor (geralmente funciona), mas ainda assim não foi uma “viagem gastronômica”, acertamos algumas vezes e erramos outras.

O foco das viagens foi passeio, por isso a opção em comprar o CityPass em NY e o MuseumPass em Paris, visto que queríamos visitar o maior número de atrações possíveis.

Não fizemos muitas compras dessa vez, exceto roupas de frio para usar na própria viagem.

Investimos em alguns programas como “Moulin Rouge” e o ensaio fotográfico, e ambos agradaram bastante.

Fizemos uma viagem equilibrada, com alguns gastos extras e algumas economias. É possível curtir NY e Paris com menos do que isso, pois algumas coisas que listei aqui não são necessárias.

De qualquer forma, mesmo que você opte por economizar com comida, transporte, compras, só aconselho que escolha bem a hospedagem, pois ela determina grande parte do nível de satisfação com a viagem! Chegamos bem cansados do voo de NY, mas quando encontramos aquele “quarto delícia” e aquela cama macia, com poucas hora estávamos 100% renovados e isso fez toda a diferença para que a segunda parte da nossa viagem fosse igualmente incrível!

NOVA YORK

PARIS

Nos próximos posts vou detalhar os nossos roteiros. FIQUE LIGADO que logo terá novidade!

Abraço,

Anna.

 

Próximo post – Onde comer em Nova York sem atrapalhar seu roteiro de viagem

Anna
Anna
Escorpiana assumida, Defensora Pública em MS e wanderlust por natureza. Está sempre programando uma nova aventura e em busca de experiências, porque acredita que a melhor viagem é sempre a próxima!