Skip to main content

Roteiro – uma viagem a Machu Picchu

Uma viagem exótica rumo à ancestralidade americana dos nativos Incas, num santuário listado como uma das sete maravilhas do mundo moderno, Machu Picchu está localizada a quase 7.000 metros de altitude, encravada nas montanhas peruanas. Uma viagem para quem deseja ter um encontro com o passado e compreender um pouco da história desse império milenar.

O Hotel Urbano em parceria com o Mala de Viagem desvenda as maravilhas de Machu Picchu, com um roteirão de viagem para quem quer conhecer os principais pontos desse lugar tão surpreendente.

Confira também:

Apaixone-se por Lima: dicas de viagem e gastronomia na capital peruana
Cusco, Vale Sagrado e Machu Picchu: dicas e roteiro de viagem – Parte1
Vale Sagrado e Machu Picchu: dicas e roteiro de viagem – Parte2

Através de uma escarpada colina de 7.000 metros de altura no meio dos Andes, as antigas ruínas incas de Machu Picchu mistificam e intrigam viajantes e historiadores.

Uma viagem ao local peruano remoto é imperdível para turistas que visitam o Peru e, enquanto alguns visitantes participam de passeios organizados antes da partida, outros se aventuram no site oficial como viajantes independentes.

Se você está planejando sua própria viagem a esse lugar icônico, leia nossas principais dicas para aproveitar ao máximo sua visita.

Qual a melhor época para visitar Machu Picchu?

O tempo em Machu Picchu tende a ser úmido e muitas vezes nebuloso. A temporada alta começa no final de maio e dura até agosto, sendo julho e agosto os meses mais secos. Janeiro e fevereiro são os meses mais chuvosos nesta região subtropical. Espere chuvas durante a sua visita, independentemente da época do ano.

As ruínas podem ser “desagradáveis” ​​com os viajantes que visitam o local em uma excursão de um dia a partir de Cusco ou Ollantaytambo, particularmente durante a alta temporada.

Esses passeios em excursão geralmente ocorrem das 10h às 14h. Se você ficar em Aguas Calientes, terá a opção de chegar bem antes do movimento de turistas e ficar  depois que eles partem, permitindo que aproveite o tempo sem movimento para explorar as ruínas.

Para chegar ao Santuário, hospede-se em Cusco ou em Aguas Calientes

O ideal é pegar o trem Expedition a partir da cidade de Cusco ou da cidade de Ollantaytambo para Aguas Calientes, e visitar as ruínas em uma viagem de um dia. Uma viagem menos cansativa.

Deslocamento

O turista mais aventureiro pode chegar ao sítio das ruínas incas através da Trilha Inca (4 dias de caminhada).

Vale lembrar que o turista aventureiro deve estar em grupos ou com um guia local, contratado por uma agência de turismo autorizada, pois não é permitido caminhadas individuais ao longo da Trilha Inca.

Reserve a sua viagem de caminhada com bastante antecedência (estes passeios são vendidos com meses de antecedência).

Se preferir chegar de trem, saiba que três operadoras de trens dirigem viagens para Aguas Calientes (Machu Picchu): Perurail, Inca Rail e Machu Picchu Train. Os trens mais populares são via Perurail, que oferece 3 níveis de serviço – o Backpacker, o luxuoso Vistadome e o trem ultra-luxo Hiram Bingham.

Uma vez que você chegou em Aguas Calientes, ônibus especialmente sancionados correm regularmente (a cada 15 a 20 minutos) até as ruínas. O ponto de ônibus fica a 5 minutos a pé da estação ferroviária.

Ao visitar as ruínas, contrate um guia!

As ruínas são um lugar fascinante, e por enquanto é totalmente possível desfrutar de visitas por conta própria, porém você terá uma experiência muito maior ao fazer uma visita guiada ao sítio. Isso é possível através das várias agências em Cusco ou Ollantaytambo. Você também pode pedir ao seu hotel para fazer um passeio com um guia privado.

Há também uma série de guias que esperam na entrada de Machu Picchu, sendo possível organizar um passeio de grupo ou privado com um deles após sua chegada às ruínas. Se fizer isso, fale com alguns dos guias para obter uma noção de seu nível de conhecimento do lugar e proficiência em Inglês/espanhol. Além disso, saiba que é comum negociar com esses guias por um preço justo, normalmente cerca de US$ 50 por um tour de 2 horas.

Grande parte da história de Machu Picchu continua sendo um mistério para os historiadores, e os guias de qualidade terão certeza de deixar isso claro, ao invés de lhe vender informações definitivas (e potencialmente falsas).

 

Ingressos

Os ingressos são necessários para entrar no sítio das ruínas. Compre os seus bilhetes com a maior antecedência possível, uma vez que um número limitado de turistas pode visitar o local por dia.

O que fazer e o que ver em Machu Picchu

As grandes ruínas são melhor exploradas com um guia, para que você possa ter certeza de ver e conhecer alguns destaques mais fascinantes do local, incluindo o Templo do Sol, o Templo dos Três Janelas, o Templo do Condor, o Portão do Sol e a Rocha Intihuatana.

Muitos viajantes planejam caminhar Huayna (Wayna) Picchu, o pico com vista para as ruínas, que geralmente aparece no pano de fundo de fotos de Machu Picchu.

 

O que fazer em torno de Machu Picchu

O Vale Sagrado em torno de Machu Picchu é o lar de uma série de ruínas fascinantes, pequenas cidades e pontos turísticos.

Planeje uma excursão de um dia do Vale Sagrado de Cusco ou Ollantaytambo, e se certifique de incluir paradas no mercado tradicional de Pisac e ruínas de Pisac; a aldeia de Ollantaytambo e as ruínas incas; as ruínas de Moray e as minas de sal de Salineras.

 

 

 

Vamos encarar essa aventura? Viva a natureza e a cultura andina com mais conforto e seriedade que só o Hotel Urbano pode garantir! Viva mais histórias felizes! Viajar é possível!

 

Post anterior – 10 Resoluções para 2018 que todo viajante deveria fazer

Próximo post – Viajando com crianças ou adolescentes: autorização de viagem