Skip to main content
Palmas Tocantins

Palmas: a jovem e organizada capital do estado de Tocantins

Uma capital jovem e planejada, formada por população proveniente de vários cantos do Brasil, essa é Palmas, e a jovenzinha capital brasileira é assunto do post de hoje! Afinal de contas, se você está planejando ir ao Jalapão, então por que não dar uma esticadinha na sua viagem e curtir uns dias em Palmas também?

Ainda não conferiu os posts anteriores sobre o Parque Estadual do Jalapão? Então só clicar aqui.

Como você já sabe, nossa viagem de ecoturismo de 2017 teve como destino o Parque Estadual do Jalapão. Claro que aproveitamos e estendemos um pouquinho a viagem para conhecer a capital do estado de Tocantins, nossa jovem (e falo isso com a boca cheia, já que a cidade tem a minha idade…) Palmas.

Palmas não é exatamente o que se tem de exemplo perfeito de “cidade turística”, mas adoramos conhece-la, pois além de significar “mais uma capital brasileira pra nossa lista”, lá também podemos descansar e relaxar um pouco depois da expedição Jalapão!

Palmas, capital do estado de Tocantins, foi fundada em 20 de maio de 1989 (logo em seguida da criação do estado de Tocantins com a Constituição Federal de 1988) pelo Governador José Wilson Siqueira Campos.

Banhada pelo Rio Tocantins e agraciada com uma linda serra em seu horizonte, a cidade é planejada e muito organizada, muito mesmo. Só para se ter uma ideia, os cruzamentos não são organizados com semáforos, mas sim por rotatórias (parece um ballet, os carros em perfeita sincronia sabendo exatamente o momento de ingressar na dança).

Além de bons em rotatória, os cidadãos que moram em Palmas (sei que a frase ficou um horror, mas eu dissesse os “palmenses” seria ainda pior, porque pouca gente ali realmente nasceu em palmas… Sem contar que eu ainda estaria automaticamente excluindo todas as pessoas maiores do que 29 anos) são muito simpáticos e adoram te contar dados importantes sobre o que tem de bom na cidade (mais) organizada (do Brasil) onde moram (capital com maior IDH do país).

Se você entende Brasília, então entenderá Palmas! A capital do Tocantins foi criada quase na mesma forma de Brasília – divisão entre área residencial e comercial, além de ser dividida em lado norte/sul e quadras/ruas numeradas.

Uma coisa interessante que notei em Palmas é que quase não se vê pedestres andando nas ruas. Fiquei tão intrigada que perguntei sobre isso a vários motoristas do Uber, e todos me disseram que não era impressão minha não: “realmente, aqui você não vê muitas pessoas caminhando nas ruas”. E isso se dá por suas razões: 1. o calor; 2. a cidade não tem muitas calçadas naquele estilo tradicional que encontramos por aí (percebi isso quando tentamos ir da Praia da Graciosa para o shopping caminhando e, de repente: ué, cadê a calçada?).

Agora uma informação importante: Rodrigo e eu que moramos em Mato Grosso Sul não somos parâmetro para o que vou dizer agora, mas dizem que Palmas é uma cidade muito, muito, mais muitooo quente mesmo!

Gente, aqui no interior de MS onde moro durante a semana (sim, só durante a semana, porque fim de semana eu vou pra cidade grande tá?), é muito comum o termômetro marcar 38, 40ºC no verão, então pra mim, Palmas estava até que normal! Mas claro, se você mora em outro lugar, vai estranhar os 36ºC em pleno mês de junho, então cuidado: muita água e proteção solar.

Feitas essas introduções e observações, vamos ao nosso “roteiro” (não fizemos exatamente um roteiro, mas eu gosto de usar essa palavra porque ela transmite ideia de organização, e organização combina com Palmas).

Chegamos a Palmas já no final da tarde. Só deu tempo de ir para o hotel, dar uma voltinha no shopping e jantar, pois tínhamos que dormir cedo para no dia seguinte estar bem dispostos para começar nossa trip ao Jalapão.

Shopping Capim Dourados - Palmas (Tocantins)
Shopping Capim Dourados – Palmas (Tocantins)

 

Shopping Capim Dourados - Palmas (Tocantins)
Parte externa do Shopping Capim Dourados – Palmas (Tocantins)

Ficamos hospedados no Hotel Fit (tanto no primeiro dia, antes do Jalapão, como nos 2 últimos dias de viagem, depois do Jalapão), um hotelzinho estilo Ibis, simples e barato, mas que nos atendeu super bem. Pagamos R$ 129,00 pela diária.

O hotel tem um quarto espaçoso (considerando o valor), cama confortável, ar condicionado Split e café da manhã incluso no valor.

Café da manhã reforçado
Café da manhã reforçado

Depois de um bom banho (já estávamos viajando a umas 18h, entre conexões demoradas e atrasos de voo), resolvemos dar uma volta no Shopping Capim Dourado, que é o maior shopping da cidade, embora não seja grande assim.

Depois de passear pelo shopping (o que não levou mais do que meia hora), decidimos jantar em outro lugar, chamamos o Uber e o destino da vez foi Sicondo Ristorante.

O Sicondo Restaurante é um restaurante mais “chiquezinho” e bem avaliado no TripAdvisor (avaliado como “muito bom”). Acertamos na escolha (peguei a dica no blog S2 Station, do meu amigo Igor), pois além de pratos saborosos, também tinha música ao vivo!

Embora fosse ainda quarta-feira, o restaurante estava cheio (quando chegamos ainda tinham muitas mesas vagas, depois rapidamente encheu tudo) e tive a impressão que as pessoas ali são bem noturnas, pois já estávamos indo embora e o pessoal ainda estava chegando.

Nossos pratos no Sicondo Ristorante - Palmas
Nossos pratos no Sicondo Ristorante – Palmas

No dia seguinte partimos para o Parque Estadual do Jalapão, mas na volta teríamos mais 2 dias para curtir Palmas.

De volta a Palmas, agora um bocado mais cansados do que no início da viagem, não estávamos mais com tanta disposição para bater perna pela cidade, então depois de um banho aparentemente bem tomado (embora até hoje ainda tenha areia dos fervedouros do Jalapão em mim…), fomos jantar num bistrô delícia, chamado Adelaide Bistrô.

O restaurante é na própria casa do dono, que é o cheff do bistrô. Uma pessoa muito simpática que veio até nossa mesa perguntar sobre nossa viagem e fazer a apresentação do cardápio.

Linda a apresentação da entradinha no Adelaide Bistrô
Linda a apresentação da entradinha no Adelaide Bistrô

Foi uma noite muito agradável, embora os pratos demorem um pouco a chegar (tudo é preparado na hora), o ambiente é tão bonito e agradável, que nem percebemos o tempo passar.

Risoto de gorgonzola com filé mignon - Adelaide Bistrô - Palmas
Risoto de gorgonzola com filé mignon – Adelaide Bistrô – Palmas

 

Adelaide Bistro - Palmas
Risoto de… (vixe, esqueci do que era, sorry) com salmão! Estava mara, pode pedir igual!

O mousse de chocolate é simplesmente imperdível. Não dá pra ir lá e não pedir um desse.

Sobremesa não poderia faltar - Adelaide Bistrô - Palmas
Sobremesa não poderia faltar (principalmente o mousse de chocolate, que é o de trás) – Adelaide Bistrô – Palmas

Depois de uma boa noite de sono (eu que geralmente acordo no máximo as 7 da matina, nesse dia consegui dormi até umas 8:30… sinal que estava “cansada à beça”), acordamos, tomamos nosso café da manhã tranquilamente e partimos rumo à Praia da Graciosa.

Praia da Graciosa - Palmas
Praia da Graciosa – Palmas

A Praia da Graciosa é uma praia de rio super bonitinha, que eu adoraria frequentar diariamente se morasse em Palmas. Caminhamos pela orla e ficamos ali desejando que fosse final de semana para ver o lugar com mais alguém além de nós e os passarinhos. Na orla há uma pista de caminhada/bicicleta e um calçadão com quiosques, mas estava tudo fechado naquela tarde de terça-feira.

Praia da Graciosa - Palmas
Praia da Graciosa – Palmas

Também queríamos ter ido para a Ilha da Canela, que fica ali na frente. É só pegar um barquinho e pronto, poucos minutinhos e já está lá. Mas como estava bem vazio, imaginamos que estaria tudo fechado lá na ilha e desistimos da ideia. Depois encontramos um casal de amigos que nos disseram que foram e que, embora sem quase nenhum turista no local, ele estava funcionando sim.

Minha dica: se for durante o final de semana, pegará o lugar mais agitadinho, inclusive com possibilidade de fazer passeio de barco para apreciar o por do sol.

Praia da Graciosa - Palmas
Praia da Graciosa – Palmas

Nesse dia almoçamos no Restaurante Flutuante: um restaurante montado em cima de um grande barco. A vista realmente é bem bacana. Foi um almoço diferente e curtimos! No cardápio, destaque para os peixes, que foi nossa escolha (no cardápio dizia que os pratos eram pra 2, mas acho que quiseram dizer 4).

Almoço no Restaurante Flutuante - Palmas
Almoço no Restaurante Flutuante

Os sinais de cansaço novamente falaram mais alto e depois de uma pausa na Praia da Graciosa para gravação de alguns vídeos para o Youtube, nos rendemos a um cineminha e comprinhas no shopping (programinha clichê, eu sei, mas dá um desconto vaiii… estávamos voltando de uma expedição de 5 dias no Jalapão!).

A noite fomos a uma feira gastronômica legalzinha que acontece em Palmas às terças-feiras. Lá experimentamos comida regional (e de outras regiões também). Lembra um conceito de um “Mercadão Municipal” – várias barraquinhas com comidas diversas, frutas, legumes, doces, remédios naturais… O preço das comidas é super ok, então dá pra provar de tudo um pouco se tiver disposição!

Rodrigo provou o "Tacacá"
Rodrigo provou o “Tacacá” na feira gastronômica

E essa foi nossa última noite em Palmas. No dia seguinte nosso voo partia depois do almoço, então aproveitamos para dar mais uma descansada pela manhã, organizar as coisas e almoçar no outro shopping da cidade, chamado Palmas Shopping, que embora pequeno, tem uma grande praça de alimentação, com bastante opções de restaurantes.

O que ficou faltando conhecer e você pode incluir no seu roteiro?

Praça dos Girassóis: passamos por ela várias e várias vezes… também, com toda aquela extensão, seria impossível passar batido. Ela é famosa por ser a maior Praça da América Latina (e a segunda maior praça urbana do mundo), e tem 571 mil metros quadrados e é o cartão postal de Palmas.

A praça reúne as sedes dos três poderes públicos estaduais: o Palácio Araguaia (Poder Executivo), a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins (Poder Legislativo) e o Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins (Poder Judiciário), além das Secretarias de Governo.

Claro que não vou te dizer pra caminhar pela praça todinha né, mas vale à pena o passeio para conhecer alguns monumentos e obras de arte criados em homenagem ao povo tocantinense:

– O monumento dos 18 do Forte de Copacabana (simmm, o monumento não está no RJ, mas sim lá em Palmas, pois serviu de inspiração para a emancipação do estado de Tocantins);

– o Memorial Coluna Prestes, projetado por Oscar Niemeyer;

– o Monumento à Bíblia;

– o Monumento de Súplica dos Pioneiros;

– o Relógio do Sol;

– o Palácio Araguaia, que é a sede do governo do Estado de Tocantins e uma fonte charmosa (que vimos à distância).

Nosso hotel ficava ali pertinho e, em dias normais, eu já calçaria meu “Nike Running” (Nike, me patrocina? Nunca te pedi nada…) no pé e partiria pra uma corridinha na praça, que mais parece um parque. But, já contei como eu realmente estava cansada né? Então a corrida não rolou, aliás, não rolou nem uma leve caminhada pra contar história.

Mas como eu não vou deixar minhas lindas leitoras e leitores por fora do que tem de bacana nessa praça, que é um dos maiores, quiçá (adoro essa palavra, acho chique!) o maior e mais famoso ponto turístico de Palmas, deixo como indicação o post sobre a cidade feito pelo meu amigo Igor, do Blog S2 Statio (clique aqui), que gostou tanto da Praça dos Girassóis que foi nela duas vezes durante o período de 3 dias que esteve em Palmas, né Ígor?

Parque Cesamar: um parque com pista para caminhadas, equipamentos para a prática de exercícios, além de áreas de diversão para crianças e adultos. É também sede do Museu A Casa da Cultura, que conta a história da capital.

Taquarussu: é um distrito que fica pertinho de Palmas (32km) e é marcado e conhecido pelas suas lindas cachoeiras. Passamos por lá na ida para o Parque Estadual do Jalapão, mas não fomos às cachoeiras. Ah, ali no mirante tem uma barraquinha que vende uma tapioca delícia!

Mirante do Taquarussu
Mirante do Taquarussu

 

Que saudade dessa tapioca... (barraquinha no mirante do Taquarussu)
Que saudade dessa tapioca… (barraquinha no Mirante do Taquarussu)

Ao contrário das águas quase mornas do Jalapão, as cachoeiras de Taquarussu são famosas por suas águas geladas. Atualmente já há 82 cachoeiras catalogadas, além de grutas, córregos e mirantes.

Para quem curte adrenalina, o local oferece a prática de atividades como rapel, tirolesa e trilhas.

Principais atrativos de Taquarussu: Cachoeira da Roncadeira (a maior dela, com 70 metros de altura); Cachoeira Escorrega Macaco, Cachoeira do Evilson, Cachoeira do Vale do Vai Quem Quer, Cachoeira de Taquaruçu, Cachoeira do Sambaiba, Cachoeira Raizana,  Cachoeira Pequena, Cachoeira Rappel, Cachoeira Caverna, Corredeira Rio São João e Balneário Natureza.

A ideia inicial era ir a Taquarussu quanto voltássemos do Jalapão. Acabamos optando por conhecer um pouco da cidade e deixamos as cachoeiras para outra oportunidade, mas já ressalto de antemão que o lugar deve mesmo valer à pena, porque toda pessoa com as quais conversamos, perguntaram se a gente já tinha ido a Taquarussu, então fica a dica!

E esse foi o post de hoje, espero que tenha gostado.

Volto em breve com novidades!

Besitos da Anna.

 

  • Thiago Carvalho

    Anna, o Jalapão está na nossa lista de roteiros de ecoturismo brasileiro a serem realizados e, é claro, que a passagem por Palmas será mandatória. Obrigado pelo post e, sobretudo, pelas dicas culinárias perfeitamente ilustradas. Essas experiências fazem toda a diferença!

    • blogmaladeviagem

      Que bom que gostou Thiago. Palmas é um bom pit-stop quando se visita o Jalapão! Dois ou três dias é suficiente. O legal é incluir Palmas antes do Jalapão, pois se deixar pra depois, provavelmente estará muito cansado e será mais difícil aproveitar a cidade!

  • Tik de Viagem

    o que são essas comidas?? fiquei super de olho! adorei o post, nao tinha ideia de que palmas era tao organizado e tao gracinha!

    • blogmaladeviagem

      Palmas é super organizada! uma graça de capital. Simmm, a parte da comida é a melhor rsrs

  • Marilisa Domingues

    Sabe que post delícia haha é esse.. humm só comidinhas e sobremesas gostosas com ótimas dicas gastronômicas… !!Mto bom !
    Olha pra falar verdade Ana, conhecia muito pouco de Palmas, adorei o post ! Vejo que o Brasil tem muito mais muito a oferecer, uma beleza infinita de lugares. Adorei Palmas, obg por compartilhar com a gente beijos

    • blogmaladeviagem

      Oiii Marilisa!!! Verdade, nosso Brasil tem muitos cantinhos esperando para serem conhecidos, e Palmas, além de ser uma cidade ótima, é perfeito pit-stop ao Jalapão! bjs

  • Marthon Livramento

    Ainda não conheci, mas estou doido para!!!
    Ainda mais lendo este post…
    Valeu

    • blogmaladeviagem

      Muito obrigada pela visita! abraço

  • Gleiçon Bastos

    Olá. Sou o Gleiçon. Baiano, morador de Palmas há 15 anos, funcionário da Agência de Turismo da capital do Tocantins. Passei para dizer que nós da AGTUR adoramos o seu post sobre Palmas, aproveitando a oportunidade para convidar para nosso Festival Gastronômico de Taquaruçu que acontecerá agora em setembro.
    Segue link: https://www.facebook.com/turismopalmas/posts/887805288043256
    Abraços a todos.

  • Gleiçon Bastos

    #FGT2017

  • Anna, muito obrigado, antes de mais nada, pelas menções ao S2Station!

    Que bom que aproveitou bem Palmas, e que pegou a dica do Sicondo 🙂 E, sim, a gente voltou 2x na Praça dos Girassois, uma vez de noite e outra de dia. Confesso que fiquei bastante impressionado com a amplitude do negócio.

    Achei muito legal a foto de cabeça para baixo na Praia da Graciosa 😀

    Valeu!

    • Oi Igor! Magina, eu adoro o S2Station – todos os seus posts são incríveis e com um toque perfeito de bom humor!
      Adoramos o Sicondo, foi uma delícia… Obrigada pela visita! abraço.